Trump sugere que pena de morte possa ser solução para o tráfico de droga

Presidente norte-americano apontou que os países que têm pena de morte para questões relacionadas com a droga têm menos problemas do que os EUA

Donald Trump, Presidente dos EUA, comparou esta quinta-feira o tráfico de opioides ao homicídio, relativamente às penas que são, e as que podem ser, aplicadas aos criminosos.

"Temos traficantes de drogas que estão a matar centenas e centenas de pessoas. Ao disparar sobre uma pessoa recebe-se a pena de morte. Estas pessoas [traficantes] podem matar duas mil ou três mil pessoas e nada lhes acontece", afirmou o líder norte-americano num evento na Casa Branca sobre o abuso de opioides, segundo o Politico.

Referiu ainda que os países que têm pena de morte para traficantes têm menos problemas do que os EUA no combate ao abuso de substâncias: "Alguns países têm uma pena muito, muito, muito dura. A sentença final. E, já agora, têm menos problemas de droga do que nós".

O Politico explica ainda que estas declarações vêm no seguimento de algumas notícias que sugeriam que Donald Trump tinha elogiado alguns países, como Singapura, que têm pena de morte para traficantes, justificando-se com o facto de que uma abordagem menos dura à situação não traria resultados.

Sem dar detalhes, e dizendo apenas que vão ser "muito, muito fortes", Donald Trump falou em futuras medidas e políticas, a revelar nas próximas semanas, para combater a crise do consumo e tráfico de droga.

Trump expressou ainda apoio à investigação e responsabilização de farmacêuticas e distribuidores de analgésicos devido ao seu papel na situação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.