Trump saúda "encontro histórico" entre líderes das duas Coreias

O Presidente norte-americano escreveu que os EUA e "todo o seu grande povo devem estar muito orgulhosos do que está a acontecer na Coreia"

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, saudou esta sexta-feira o "encontro histórico" entre os líderes da Coreia do Norte e da Coreia do Sul, depois de "um ano furioso de lançamentos de mísseis e de testes nucleares".

"Estão a acontecer coisas positivas, mas só o tempo o dirá", escreveu Trump no Twitter.

Noutra mensagem naquela rede social, Trump afirma que os norte-americanos devem estar "muito orgulhosos" do encontro.

"A guerra coreana vai acabar! Os Estados Unidos e todo o seu grande povo devem estar muito orgulhosos do que está a acontecer na Coreia", escreveu.

A cimeira de Kim Jon-un e Moon Jae-in foi a primeira entre líderes coreanos em 11 anos e Kim foi o primeiro dirigente norte-coreano a pisar o solo da Coreia do Sul desde o fim da Guerra da Coreia.

Segundo a declaração final do encontro, os dois líderes comprometeram-se com a "completa desnuclearização" da península coreana e a promoverem a paz para acabar oficialmente com a guerra na região.

As duas anteriores cimeiras intercoreanas, em 2000 e 2007, decorreram em Pyongyang, na Coreia do Norte.

A reunião dos líderes da península coreana antecede o encontro histórico entre Kim e Trump, previsto para entre final de maio e início de junho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.