Trump revela que forças militares americanas vão sair da Líbia "muito em breve"

O presidente dos Estados Unidos revelou hoje que as forças militares americanas deixarão a Síria "muito em breve", dizendo que chegou a hora de "outros tomarem conta do problema"

"Sairemos da Síria muito em breve (...) Estamos lá por uma razão: encontrar o Estado Islâmico, acabar com o Estado Islâmico e voltarmos para casa", disse Trump durante um discurso em Ohio.

Trump não esclareceu quem serão "os outros" que tomarão conta do problemas Síria, onde a Rússia e o Irão mantêm forças de apoio ao governo de Bashar al-Assad.

"Muito em breve, muito em breve sairemos. Vamos ter cem por cento do califado, como eles o chamam (...), recuperando-o rapidamente, rapidamente", acrescentou Trump.

"Vamos sair de lá realmente em breve. Voltando para o nosso país, para onde pertencemos, onde queremos estar", completou.

Os Estados Unidos têm mais de dois mil militares no leste da Síria, que colaboram com milícias locais no combate ao Estado Islâmico, evitando envolver-se diretamente na guerra civil que assola o país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.