Trump muda lei e clandestinos deixam de poder pedir asilo aos EUA

O governo norte-americano alterou as condições para os pedidos de asilo. Os imigrantes que tenham atravessado ilegalmente a fronteira mexicana não podem fazer o pedido.

"O nosso sistema de asilo está sobrecarregado com pedidos injustificados de asilo, impedindo-nos de conceder rapidamente asilo àqueles que realmente o merecem", justificou o Departamento de Segurança Interna.

Aquela decisão impede que os migrantes que não tenham chegado a território norte-americano através de um ponto de entrada oficial possam apresentar um pedido de asilo.

O que impossibilita que a grande maioria possa pedir asilo aos EUA. Por exemplo, em Portugal, os pedidos de asilo espontâneos, que são a maioria, correspondem a muitos imigrantes que entraram ilegalmente, até pelas condições de fuga subjacentes à saída do país de origem. Já não acontece com os refugiados que chegam ao abrigo de acordos de cooperação internacionais. Mas também estas pessoas entraram ilegalmente na Itália, Grécia e, mais recentemente, Espanha.

O Departamento de Segurança Interna, em comunicado, defende "que o Presidente [Donald Trump] tem total autoridade para suspender ou restringir a entrada de estrangeiros nos Estados Unidos, se considerar que é de interesse nacional".

A decisão pode levar a uma batalha judicial, já que a organização de defesa das liberdades cívicas ACLU reagiu de imediato.

"A lei americana autoriza especificamente as pessoas a pedirem asilo, quer tenham chegado ou não através de um ponto de entrada", declarou em comunicado Omar Jadwat, dirigente da ACLU. Concluindo: "É ilegal contornar este princípio, através de uma agência ou de um decreto",.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.