Trump responde na próxima semana ao caso sobre interferência russa nas eleições

O presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, disse hoje que irá responder na próxima semana, por escrito, às perguntas feitas pelo procurador que está a investigar a eventual interferência russa nas eleições presidenciais norte-americanas.

"Iremos enviar na próxima semana. [As respostas] Já estão todas feitas", disse Donald Trump quando questionado por um jornalista sobre se já tinha enviado as respostas a Robert Mueller, o procurador especial que tem a seu cargo a investigação à interferência russa nas eleições presidenciais que ocorreram em 2016 e elegeram o atual presidente.

As declarações de Trump foram feitas pouco antes de partir para a Califórnia, para onde se dirige para ver pessoalmente os estragos dos incêndios que devastaram a região provocando dezenas de mortes e milhares de desaparecidos.

Na sexta-feira, o mandatário do presidente revelou que já tinham contestado por escrito algumas das perguntas de Mueller e Trump acabou por acrescentar que o seu mandatário "tinha respondido com muita facilidade".

Mueller investiga uma eventual ingerência russa nas eleições presidenciais de 2016 e possíveis ligações entre a Rússia e a campanha eleitoral do atual presidente que, na altura, era o candidato republicano à presidência na corrida contra a rival democrata, Hillary Clinton.

Apesar de considerar que as perguntas do procurador "não eram difíceis", Trump expressou alguma desconfiança sobre os reais objetivos de Mueller, acusando-o de estar politicamente motivado contra si.

De acordo com o jornal The Washington Post, Trump terá passado mais de cinco horas com os seus advogados para responder à lista de mais de vinte perguntas enviadas pela equipa de Mueller.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.