Trump ameaça Turquia com sanções e exige libertação de pastor protestante

"Este inocente homem de fé deveria ser imediatamente libertado!", escreveu o presidente dos EUA na rede social Twitter

O presidente dos EUA, Donald Trump, reiterou esta quinta-feira que o seu Governo imporá sanções à Turquia caso não seja libertado um pastor protestante norte-americano, acusado por Ancara de "terrorismo" e em prisão domiciliária após ter saído quarta-feira da prisão.

"Os Estados Unidos vão impor grandes sanções à Turquia devido ao prolongado período de detenção do pastor Andrew Brunson, um grande cristão, homem de família e um ser humano maravilhoso. Ele está a sofrer demasiado. Este inocente homem de fé deveria ser imediatamente libertado!", afirmou Trump na rede social Twitter.

Com as suas declarações, Trump reforçou a ameaça que, pouco antes, tinha sido emitida pelo seu vice-Presidente, Mike Pence, numa conferência internacional promovida pelo Departamento de Estado sobre liberdade religiosa.

"Se a Turquia não tomar ações imediatas, então os EUA vão impor severas sanções até que seja libertado", disse Pence. Ao dirigir-se diretamente ao Presidente turco Recep Tayyip Erdogan, acrescentou: "Liberte o pastor Brunson agora ou prepare-se para enfrentar as consequências".

O pastor é acusado de terrorismo e de espionagem com objetivos políticos e militares. Foi detido com a sua mulher Norine a 7 de outubro de 2016, por ordem da procuradoria turca

O pastor evangélico é acusado pelas autoridades turcas de ter atuado em conivência com a rede do predicador Fethullah Gülen, que Ancara responsabiliza pelo fracassado golpe militar de julho de 2016, e ainda pelo ilegalizado Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

As duas organizações são consideradas como terroristas por Ancara.

Instalado na Turquia desde há 20 anos, o pastor é também acusado de espionagem com objetivos políticos e militares. Foi detido com a sua mulher Norine a 7 de outubro de 2016, por ordem da procuradoria turca.

Brunson, que arrisca uma pena de 35 anos de prisão neste processo iniciado em 16 de abril, tem desmentido todas as acusações.

Este caso tem contribuído para agravar as relações entre os Estados Unidos e a Turquia na sequência de diversos diferendos, em particular o apoio norte-americano a uma milícia curda síria e a recusa de Washington em extraditar Gülen, que se autoexilou nos EUA em 1999.

Em setembro, Erdogan sugeriu a troca de Brunson pelo predicador Gülen, uma hipótese rejeitada por Washington.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.