Trump recupera (um pouco) a imagem com o Estado da União

Discurso presidencial no Congresso agradou à maioria dos norte-americanos. Um balão de oxigénio para quem apresenta níveis recorde de impopularidade

O terceiro discurso mais longo de sempre do Estado da União, com 80 minutos, a seguir aos dois de Bill Clinton - e cerca de 70 ovações a interrompê-lo -, valeu a Donald Trump uma impressão favorável dos americanos. Uma sondagem da CNN/SSRS, feita logo após o presidente dos EUA se ter dirigido aos congressistas, revelou que 48% das pessoas reagiram de forma "muito positiva" e 22% "um pouco positiva". Outra, da autoria da CBS/YouGov, mostra 75% dos espectadores agradados com o discurso.

Boas notícias para quem fez o primeiro discurso do Estado da União com uma percentagem recorde de impopularidade, à volta de 40%. O mais recente estudo, da Monmouth University, finalizado antes do Estado da União, mostrou uma subida de 32%, em dezembro, para 42% de aprovação. A reforma fiscal terá estado na origem da inversão da tendência de queda da popularidade.

"Deu uma volta de consagração ao falar sobre a economia americana e sobre os baixos níveis de desemprego enquanto os salários aumentam. O tom foi refrescantemente conciliador na maioria das observações", comentou à BBC o antigo conselheiro de George W. Bush Ron Christie. "Se pudesse fazer este discurso todos os dias durante o resto do ano, as eleições intercalares não seriam um problema", disse Alex Conant, ex-assessor do senador republicano Marco Rubio. Mas isso não vai acontecer e, como recordou à Reuters John Geer, especialista em opinião pública da Universidade Vanderbilt, o efeito deve desvanecer-se em breve. "Dadas as expectativas, esteve bem. Mas os seus tuítes têm tanta cobertura como os discursos, portanto provavelmente irá anular os ganhos que possa ter feito em 48 horas."

Como esperado, a mensagem de Trump esteve centrada em temas internos, sobre uma América "segura, forte e orgulhosa". Tranquilizou os apoiantes ao mostrar-se duro no que respeita à imigração, à política de segurança, aos acordos comerciais e às relações internacionais, e à defesa do hino nacional (em alusão ao boicote dos jogadores de futebol americano). E tentou chegar junto dos restantes ao apelar à unidade, ao propor um acordo com os democratas que envolva os dreamers (imigrantes que entraram no país em crianças) e o muro; uma parceria público-privada de 1,5 biliões de dólares em obras de infraestruturas; ao prometer uma luta "mais dura" aos traficantes de opiáceos e a dar tratamento de desintoxicação a quem necessite; e a reformar o sistema prisional.

No Estado da União, Donald Trump indicou que Guantánamo é uma prisão para manter nos mesmos moldes, revertendo a ordem de encerramento - nunca concretizada - de Barack Obama. A ordem executiva foi anunciada no discurso, ao declarar que instruiu o secretário de Defesa James Mattis para "rever a política de detenção militar e para manter abertas as instalações prisionais da baía de Guantánamo". No estabelecimento em terras cubanas permanecem 41 dos 780 suspeitos de terrorismo presos desde a sua abertura, em 2002. Não foi revelado se há planos para transferir mais pessoas para o centro de detenção de Guantánamo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.