Trump receia ser apanhado na "armadilha do perjúrio" se testemunhar diante de Mueller

Presidente dos EUA admitiu à Reuters temer que qualquer discrepância entre as suas declarações sob juramento no âmbito da investigação à alegada ingerência russa nas presidenciais de 2016 e as de outras testemunhas possa ser usada contra ele

"Portanto, se eu disser uma coisa e ele [o ex-diretor do FBI James Comey] disser outra, é a minha palavra contra a dele. E ele é amigo do [procurador especial Robert] Mueller. Por isso Mueller pode dizer: 'Bem, acredito em Comey' e mesmo que eu esteja a dizer a verdade, isso faz de mim um mentiroso. Não é bom", afirmou Donald Trump numa entrevista à agência Reuters.

O presidente dos EUA confessa estar preocupado com o que descreve como a "ratoeira do perjúrio", caso aceite testemunhar diante de Robert Mueller no âmbito da investigação à alegada ingerência russa nas presidenciais de 2016.

"Mueller pode dizer: 'Bem, acredito em Comey' e mesmo que eu esteja a dizer a verdade, isso faz de mim um mentiroso. Não é bom"

Apesar destes receios, Trump não confirmou nem desmentiu a intenção de testemunhar diante de Mueller. O procurador especial está a investigar se alguns membros da equipa de Trump trabalharam com os russos para manipular os resultados das presidenciais e se o presidente fez obstrução à justiça para os tentar encobrir.

O presidente recusou ainda dizer se está a pensar retirar a Mueller o acesso a informações secretas, como fez na semana passada ao antigo diretor da CIA John Brennan, depois de este ter repetido críticas às suas políticas externa e interna. "Não pensei muito nisso", admitiu. Mas admitiu que poderia assumir ele a investigação, caso assim o decidisse, mas que preferiu ficar de fora do assunto.

"Posso chegar lá e fazer o que eu quiser - posso assumir aquilo se quiser. Mas decidi ficar de fora".

O presidente tem criticado fortemente o procurador-geral (o equivalente a ministro da Justiça nos EUA), Jeff Sessions, por ter pedido escusa da investigação. Na entrevista à Reuters, Trump acusou o inquérito de Mueller de estar a minar os seus esforços de aproximação à Rússia e de causar divisões entre os americanos. Repetiu várias vezes que a investigação é "uma desgraça" e acusou Mueller e os seus colaboradores de serem enviesados.

Até agora, a Rússia tem negado de forma veemente qualquer interferência nas presidenciais que ditaram a vitória do republicano Trump sobre a democrata Hillary Clinton.

Preocupações que fazem eco de Giuliani

A ideia de uma "ratoeira do perjúrio" não é nova nestas declarações de Trump. O presidente está a repetir um conceito que o seu advogado, o ex-presidente da Câmara de Nova Iorque Rudy Giuliani, já referira. Numa entrevista na NBC no domingo, Giuliani garantiu que não tem pressa em levar Trump a testemunhar "para ele ser apanhado a cometer perjúrio". E acrescentou: "Quando me dizem que ele devia testemunhar porque vai dizer a verdade e não tem de se preocupar, é uma tontice. É uma versão da verdade. Não a verdade".

O comentário de Giuliani de que "a verdade não é a verdade" gerou uma onda de reações nos media, muitas delas irónicas. O próprio apresentador da NBC, Chuck Todd, leva as mãos à cabeça e contrapõe: "A verdade é a verdade". E Giuliani responde - "A verdade não é a verdade". E novamente o jornalista: "isto vai dar um mau meme".

32 indiciados na investigação

Robert Mueller foi nomeado procurador especial para investigar se a equipa de campanha do presidente Trump trabalhou com a Rússia para influenciar o resultado das presidenciais.

Em 2016, os serviços secretos americanos concluíram que a Rússia recorreu a uma campanha de ciberataques e colocação de notícias falsas nas redes sociais - tudo isto com autorização estatal - para influenciar o resultado das presidenciais americanas e garantir a derrota de Hillary Clinton.

Desde então, 32 pessoas foram indiciadas no âmbito da investigação, incluindo quatro membros da equipa de campanha de Trump e 25 russos.

Paul Manafort, o antigo diretor de campanha de Trump, foi a primeira pessoa a ser julgada em consequência da investigação de Mueller. Mesmo se as acusações que pesam sobre ele não estão ligadas às eleições, mas sim a evasão fiscal e lavagem de dinheiro - crimes que terá praticado enquanto consultor político na Ucrânia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.