Trump recebido com protestos na visita a protótipos de muro em San Diego

"Sem proibição! Sem muro!", gritaram os manifestantes perto da fronteira de San Isidro, por onde milhares de pessoas entram diariamente nos EUA, provenientes de Tijuana, México

Dezenas de pessoas receberam esta terça-feira com protestos o Presidente dos EUA, em San Diego, na Califórnia, onde são testados os protótipos de muro que Donald Trump prometeu colocar na fronteira com o México, para impedir a imigração ilegal.

"Sem proibição! Sem muro!", gritaram os manifestantes junto ao posto fronteiriço de San Isidro, por onde milhares de pessoas entram diariamente provenientes de Tijuana, no México, a maioria deles para trabalhar ou estudar em San Diego.

Outros manifestantes planeiam hoje outras ações de protesto em Tijuana e San Diego na primeira visita de Donald Trump à Califórnia como Presidente dos Estados Unidos, onde tomará contacto pela primeira vez com os blocos colocados ao longo da fronteira.

O presidente da câmara de San Diego, Kevin Faulconer, criticou a curta visita de Donald Trump, ao dizer que o Presidente não terá uma imagem completa da cidade, acrescentando que, se o chefe de Estado norte-americano, ficasse mais algumas horas, constataria que uma economia forte e o comércio livre não são uma contradição, mas um modo de vida.

O republicano Faulconer afirmou que apoia o Acordo de Comércio Livre da América do Norte (NAFTA, na sigla em inglês) e frisou que um terminal transfronteiriço que liga San Diego e Tijuana, em território mexicano, a poucos quilómetros onde foram colocados os protótipos do muro, mostra que "construir pontes fez maravilhas".

Trump considerou o NAFTA nefasto na extinção de emprego e afirmou já que encoraja as empresas norte-americanas para mudarem as fábricas para o México, para exploração da mão de obra barata.

As negociações do NAFTA começaram no verão passado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...