Trump quer que membros da NATO destinem 4% do PIB para a defesa

É o dobro do que está atualmente estabelecido

O Presidente dos EUA já tinha deixado o recado, um dia antes da cimeira da NATO: os membros teriam de desembolsar mais verbas para a defesa e não aproveitarem o investimento norte-americano no setor. Recado dado, Trump voltou ao ataque esta quarta-feira, já durante o encontro: o investimento na defesa deve ser de 4% do PIB, o que equivale ao dobro do que os membros atualmente investem na área.

"Penso que primeiro devemos chegar aos 2%, agora devemos pensar é nisso... e a boa notícia é que caminhamos para essa meta", disse aos jornalistas o secretário-geral da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg, evitando responder diretamente às declarações de Donald Trump.

Em comunicado, citado pela BBC, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, disse ainda que o Presidente norte-americano "quer ver os aliados a partilharem mais o fardo e, no mínimo, a cumprirem com as obrigações já estabelecidas".

Num tweet publicado na tarde desta quarta-feira, Trump criticou a Alemanha por pagar milhões à Rússia por energia e sublinhou que apenas cinco dos 29 países da NATO cumprem a meta de 2%. E exigiu que todos paguem já pelo menos este valor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.