Trump quer que membros da NATO destinem 4% do PIB para a defesa

É o dobro do que está atualmente estabelecido

O Presidente dos EUA já tinha deixado o recado, um dia antes da cimeira da NATO: os membros teriam de desembolsar mais verbas para a defesa e não aproveitarem o investimento norte-americano no setor. Recado dado, Trump voltou ao ataque esta quarta-feira, já durante o encontro: o investimento na defesa deve ser de 4% do PIB, o que equivale ao dobro do que os membros atualmente investem na área.

"Penso que primeiro devemos chegar aos 2%, agora devemos pensar é nisso... e a boa notícia é que caminhamos para essa meta", disse aos jornalistas o secretário-geral da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg, evitando responder diretamente às declarações de Donald Trump.

Em comunicado, citado pela BBC, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, disse ainda que o Presidente norte-americano "quer ver os aliados a partilharem mais o fardo e, no mínimo, a cumprirem com as obrigações já estabelecidas".

Num tweet publicado na tarde desta quarta-feira, Trump criticou a Alemanha por pagar milhões à Rússia por energia e sublinhou que apenas cinco dos 29 países da NATO cumprem a meta de 2%. E exigiu que todos paguem já pelo menos este valor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.