Trump quer permitir exploração de petróleo em reserva no Alasca

Este é um tema polémico na política ambiental nos Estados Unidos desde o final dos anos 70 do século passado

O presidente Donald Trump quer permitir a exploração de petróleo num refúgio de vida selvagem no Alasca, o Arctic National Wildlife Refuge (ANWR). São mais de sete milhões de hectares, no nordeste do estado, que estão protegidos desde 1960.

Trump tenciona usar o lucro da cedência dos direitos de exploração do petróleo e gás natural para reduzir o défice no prazo de dez anos, segundo a proposta de orçamento que apresentou ao congresso e que este terá de votar. E Mick Mulvaney, diretor do Gabinete de Orçamento da Casa Branca, afirmou que abrir o refúgio, por assim dizer, é uma das prioridades da administração Trump. "É consistente com a intenção do presidente de não ser apenas independente a nível energético, mas sim dominante", disse Mulvaney.

Em causa está uma área equivalente a 3% do total, a área 1002, que é um tema polémico na política ambiental nos Estados Unidos desde o final dos anos 70 do século passado. Mas as várias tentativas de avançar com a exploração nunca passaram e precisam da aprovação do congresso.

O serviço geológico norte-americano estima que existam milhares de milhões de barris de petróleo na área 1002. Segundo os ambientalistas, essa mesma área é fundamental para preservar várias espécies de aves e caribus.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.