Trump quer dar um ar mais americano ao Air Force One

O presidente dos EUA, que esta quinta-feira chegou ao Reino Unido com a mulher, Melania, no Air Force One, quer pintar o avião presidencial com cores mais americanas, pois não gosta muito do atual tom de azul, noticiou o site norte-americano de notícias Axios

Donald Trump terá questionado o CEO da Boeing, Dennis Muilenburg, quando se reuniu com ele em fevereiro, sobre a possibilidade de alterar a paleta de cores do Air Force One por forma a livrar-se do azul que, segundo o Axios, classificou como "a cor de Jackie Kennedy". O objetivo do presidente é, de acordo com o mesmo site de notícias, "dar um ar mais americano" ao avião presidencial.

A Casa Branca encontra-se atualmente a negociar a aquisição de dois aviões 747 com a Boeing no valor de 4 mil milhões de dólares. A negociação vem desde o tempo em que o presidente era o democrata Barack Obama, a quem Trump sucedeu, em 2017 após ganhar as eleições de 2016. O avião no qual se desloca o chefe do Estado dos EUA recebe a designação de Air Force One.

O design atual do avião presidencial, com as cores de azul e branco, data de há 55 anos, da altura em que quem estava na Casa Branca eram o presidente John F. Kennedy e a sua mulher Jacqueline Kennedy.

O Axios refere que, na Força Aérea dos EUA, a hipótese de alterar a imagem do Air Force One não é bem recebida pelos altos cargos oficiais, os quais notam "que as cores atuais já são bastante bem conhecidas em todo o mundo" neste momento.

O Independent, que cita a notícia do Axios, refere que, no imediato, ninguém da Casa Branca ou da Boeing reagiu a esta notícia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.