Trump quer dar um ar mais americano ao Air Force One

O presidente dos EUA, que esta quinta-feira chegou ao Reino Unido com a mulher, Melania, no Air Force One, quer pintar o avião presidencial com cores mais americanas, pois não gosta muito do atual tom de azul, noticiou o site norte-americano de notícias Axios

Donald Trump terá questionado o CEO da Boeing, Dennis Muilenburg, quando se reuniu com ele em fevereiro, sobre a possibilidade de alterar a paleta de cores do Air Force One por forma a livrar-se do azul que, segundo o Axios, classificou como "a cor de Jackie Kennedy". O objetivo do presidente é, de acordo com o mesmo site de notícias, "dar um ar mais americano" ao avião presidencial.

A Casa Branca encontra-se atualmente a negociar a aquisição de dois aviões 747 com a Boeing no valor de 4 mil milhões de dólares. A negociação vem desde o tempo em que o presidente era o democrata Barack Obama, a quem Trump sucedeu, em 2017 após ganhar as eleições de 2016. O avião no qual se desloca o chefe do Estado dos EUA recebe a designação de Air Force One.

O design atual do avião presidencial, com as cores de azul e branco, data de há 55 anos, da altura em que quem estava na Casa Branca eram o presidente John F. Kennedy e a sua mulher Jacqueline Kennedy.

O Axios refere que, na Força Aérea dos EUA, a hipótese de alterar a imagem do Air Force One não é bem recebida pelos altos cargos oficiais, os quais notam "que as cores atuais já são bastante bem conhecidas em todo o mundo" neste momento.

O Independent, que cita a notícia do Axios, refere que, no imediato, ninguém da Casa Branca ou da Boeing reagiu a esta notícia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...