Trump quer criar desfile militar para mostrar poder

O Presidente norte-americano, Donald Trump, quer criar um desfile militar para mostrar o poder militar dos Estados Unidos, assim destacando o seu papel de comandante.

"O Presidente Trump está totalmente solidário com os militares que todos os dias arriscam a vida para garantir a segurança do nosso país. Ele pediu ao Departamento da Defesa para estudar a criação de uma cerimónia na qual todos os americanos possam expressar o seu reconhecimento", declarou a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, confirmando uma informação do diário The Washington Post.

O multimilionário já defendia a ideia de uma parada militar em Washington antes da sua eleição e declarou-se particularmente impressionado com o desfile militar francês do 14 de Julho, quando foi recebido com grande pompa pelo Presidente de França, Emmanuel Macron.

Donald Trump abordou, na altura, a ideia de organizar um desfile semelhante em Washington no 04 de Julho, feriado nacional dos Estados Unidos, mas tal decisão provocou violentas críticas dos seus opositores, que compararam a sua atitude à do dirigente de um regime autocrático.

"Que desperdício absurdo de dinheiro! Trump comporta-se mais como um ditador que como um Presidente", reagiu o congressista democrata Jim McGovern

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.