Trump quebra tradição de ter um cão na Casa Branca: "Não tenho tempo"

Presidente norte-americano diz que já lhe recomendaram ter um animal de estimação porque "ficava bem politicamente".

"Quer um amigo em Washington? Arranje um cão", disse Harry S. Truman, o 33.º presidente dos EUA, que foi eleito em 1945. A frase ficou célebre e serve para exemplificar uma tradição com 150 anos que, segundo a imprensa norte-americana, foi quebrada por Donald Trump. O atual líder norte-americano explicou porque não tem um animal de estimação durante um comício em El Paso: "Não tenho tempo."

Aproveitando uma questão sobre pastores alemães, que são bons a farejar droga e poderiam ajudar a combater o tráfico na fronteira com o México, o presidente norte-americano abordou o assunto: "Vocês adoram os vossos cães, não é? Eu não me importo de ter um, honestamente, mas eu não tenho tempo. Como poderia andar com um cachorro no relvado da Casa Branca?", questionou, provocando risada geral entre a audiência.

E quando alguém sussurrou que ele até ficava bem nas fotos com um cachorro - tirou várias quando estava em campanha -, Trump explicou que não se sente bem a usar os animais para fins políticos: "Parece um pouco falso. Muitas pessoas disseram-me para arranjar um cachorro porque ficaria bem politicamente, mas eu não senti essa necessidade."

A tradição vem de longe

De acordo com o The Washington Post, já o primeiro presidente dos Estados Unidos tinha cães como animais de estimação; o antecessor de Trump, Barack Obama, apresentou ao mundo Bo e Sunny, dois cães de'água portugueses, sendo várias vezes fotografado a brincar com os animais (o jornal recorda que Bo e Sunny chegaram a ter uma agenda oficial de eventos). Pelo meio, houve escolhas mais bizarras, como a de Thomas Jefferson, terceiro presidente dos EUA, que chegou a ter um casal de ursos na Casa Branca.

Com o atual presidente acabaram os cães na residência oficial. Donald Trump nunca teve um cachorro e só conviveu com um enquanto foi casado com Ivana Trump. Segundo a primeira esposa do atual líder americano, ele não era fã de animais e ela teve de insistir para ter um poodle.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.