Trump quebra tradição de ter um cão na Casa Branca: "Não tenho tempo"

Presidente norte-americano diz que já lhe recomendaram ter um animal de estimação porque "ficava bem politicamente".

"Quer um amigo em Washington? Arranje um cão", disse Harry S. Truman, o 33.º presidente dos EUA, que foi eleito em 1945. A frase ficou célebre e serve para exemplificar uma tradição com 150 anos que, segundo a imprensa norte-americana, foi quebrada por Donald Trump. O atual líder norte-americano explicou porque não tem um animal de estimação durante um comício em El Paso: "Não tenho tempo."

Aproveitando uma questão sobre pastores alemães, que são bons a farejar droga e poderiam ajudar a combater o tráfico na fronteira com o México, o presidente norte-americano abordou o assunto: "Vocês adoram os vossos cães, não é? Eu não me importo de ter um, honestamente, mas eu não tenho tempo. Como poderia andar com um cachorro no relvado da Casa Branca?", questionou, provocando risada geral entre a audiência.

E quando alguém sussurrou que ele até ficava bem nas fotos com um cachorro - tirou várias quando estava em campanha -, Trump explicou que não se sente bem a usar os animais para fins políticos: "Parece um pouco falso. Muitas pessoas disseram-me para arranjar um cachorro porque ficaria bem politicamente, mas eu não senti essa necessidade."

A tradição vem de longe

De acordo com o The Washington Post, já o primeiro presidente dos Estados Unidos tinha cães como animais de estimação; o antecessor de Trump, Barack Obama, apresentou ao mundo Bo e Sunny, dois cães de'água portugueses, sendo várias vezes fotografado a brincar com os animais (o jornal recorda que Bo e Sunny chegaram a ter uma agenda oficial de eventos). Pelo meio, houve escolhas mais bizarras, como a de Thomas Jefferson, terceiro presidente dos EUA, que chegou a ter um casal de ursos na Casa Branca.

Com o atual presidente acabaram os cães na residência oficial. Donald Trump nunca teve um cachorro e só conviveu com um enquanto foi casado com Ivana Trump. Segundo a primeira esposa do atual líder americano, ele não era fã de animais e ela teve de insistir para ter um poodle.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.