Jornalista desaparecido: Trump promete "punição severa" para sauditas

Presidente norte-americano, Donald Trump, admitiu que a Arábia Saudita possa estar por detrás do desaparecimento de Jamal Khashoggi. Castigo exclui limitação de venda de armas

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prometeu uma resposta firme do país caso se venha a provar que o jornalista saudita Jamal Khashoggi foi assassinado pelas próprias autoridades sauditas.

Numa entrevista ao programa 60 Minutos, da CBS, de acordo com a CNN, Trump disse que os EUA chegariam ao fundo do que aconteceu com o jornalista saudita desaparecido e que haveria uma "punição severa" se fosse descoberto que Khashoggi foi assassinado no consulado da Arábia Saudita em Istambul, na Turquia.

"Vamos investigar até ao fim e haverá uma punição severa, disse o chefe do Estado, na entrevista gravada na quinta-feira. Trump afastou a ideia de limitar a venda de armamento ao reino saudita. "Há outras maneiras de castigar", defendeu.

Num trecho da entrevista, divulgado pela CBS este sábado, o presidente americano disse que o caso de Jamal Khashoggi estava a ser acompanhado com muita atenção e que sua administração "ficaria muito zangada e irritada" se o governo saudita tiver ordenado a sua morte. O caso é especialmente grave, afirmou, "porque este homem era um jornalista".
"Eles negam e negam veementemente. Poderiam ser eles? Sim", atirou Trump.

Khashoggi, colunista do jornal Washington Post, entrou no consulado saudita em Istambul em 2 de outubro para obter documentos que lhe permitiriam casar com sua noiva turca. E nunca mais foi visto em público desde então.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.