Trump pediu e Arábia Saudita vai aumentar produção de petróleo

Donald Trump anunciou no Twitter que falou com o rei Salman e que pediu para produção de petróleo ser aumentada em dois milhões de barris. Arábia Saudita não se compromete com metas

O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou este sábado que o rei da Arábia Saudita concordou em aumentar a produção de petróleo, "talvez até dois milhões de barris", conversa que os sauditas confirmaram, mas sem mencionar metas.

"Acabo de falar com o rei Salman [bin Abdelaziz] e expliquei-lhe que, com a agitação e disfunções no Irão e na Venezuela, peço que a Arábia Saudita aumente a sua produção de petróleo, talvez até dois milhões de barris, para o compensar", escreveu Trump no Twitter. "Os preços são demasiado altos. Ele acedeu!", acrescentou, referindo-se ao rei saudita.

Pouco tempo depois, a agência estatal saudita, SPA, confirmou a chamada, mas deu poucos pormenores. "Durante a chamada, os dois dirigentes sublinharam a necessidade de desenvolver esforços para manter a estabilidade do mercado petrolífero e o crescimento da economia global", escreveu a agência.

O texto acrescenta que Trump e Salman concordaram que os países produtores de petróleo devem "compensar potenciais faltas de reservas".

O preço do petróleo aumentou depois de os Estados Unidos terem pressionado os seus aliados a não comprar petróleo ao Irão, num quadro comercial já perturbado pela instabilidade na Venezuela e pelo conflito entre fações na Líbia pelo controlo da infraestrutura petrolífera do país.

Na semana passada, a OPEP acordou aumentar a produção em um milhão de barris diários, uma quantidade que a médio prazo podia ficar-se pelos 600 mil barris, para conter os preços, que estão no seu nível mais alto desde 2014.

Nos Estados Unidos, o galão (3,78 litros) custa em média 2,85 dólares (cerca de 2,43 euros), 63 cêntimos de dólar (53 cêntimos de euro) mais que no ano passado, segundo a associação automóvel norte-americana AAA.

Não é claro se o aumento referido hoje por Trump se junta ao acordado com a OPEP e se se refere a barris por dia ou por mês.

A Arábia Saudita produz atualmente cerca de 10 milhões de barris por dia.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?