Trump pediu e Arábia Saudita vai aumentar produção de petróleo

Donald Trump anunciou no Twitter que falou com o rei Salman e que pediu para produção de petróleo ser aumentada em dois milhões de barris. Arábia Saudita não se compromete com metas

O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou este sábado que o rei da Arábia Saudita concordou em aumentar a produção de petróleo, "talvez até dois milhões de barris", conversa que os sauditas confirmaram, mas sem mencionar metas.

"Acabo de falar com o rei Salman [bin Abdelaziz] e expliquei-lhe que, com a agitação e disfunções no Irão e na Venezuela, peço que a Arábia Saudita aumente a sua produção de petróleo, talvez até dois milhões de barris, para o compensar", escreveu Trump no Twitter. "Os preços são demasiado altos. Ele acedeu!", acrescentou, referindo-se ao rei saudita.

Pouco tempo depois, a agência estatal saudita, SPA, confirmou a chamada, mas deu poucos pormenores. "Durante a chamada, os dois dirigentes sublinharam a necessidade de desenvolver esforços para manter a estabilidade do mercado petrolífero e o crescimento da economia global", escreveu a agência.

O texto acrescenta que Trump e Salman concordaram que os países produtores de petróleo devem "compensar potenciais faltas de reservas".

O preço do petróleo aumentou depois de os Estados Unidos terem pressionado os seus aliados a não comprar petróleo ao Irão, num quadro comercial já perturbado pela instabilidade na Venezuela e pelo conflito entre fações na Líbia pelo controlo da infraestrutura petrolífera do país.

Na semana passada, a OPEP acordou aumentar a produção em um milhão de barris diários, uma quantidade que a médio prazo podia ficar-se pelos 600 mil barris, para conter os preços, que estão no seu nível mais alto desde 2014.

Nos Estados Unidos, o galão (3,78 litros) custa em média 2,85 dólares (cerca de 2,43 euros), 63 cêntimos de dólar (53 cêntimos de euro) mais que no ano passado, segundo a associação automóvel norte-americana AAA.

Não é claro se o aumento referido hoje por Trump se junta ao acordado com a OPEP e se se refere a barris por dia ou por mês.

A Arábia Saudita produz atualmente cerca de 10 milhões de barris por dia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.