Trump não recua: "Se não temos fronteiras, não temos um país!"

Presidente norte-americano volta a abordar a questão da separação das famílias na fronteira, culpando os democratas. Níveis de popularidade mantém-se nos 42%,mas já chegaram a ser de 36% em dezembro.

O presidente norte-americano, Donald Trump, voltou a defender no Twitter a sua política de imigração de "tolerância zero", que resultou na separação de pelo menos duas mil crianças dos pais, entre meados de abril e final de maio.

"Temos sempre que prender as pessoas que entram no nosso país ilegalmente. Das 12 mil crianças, dez mil estão a ser enviadas pelos pais numa viagem muito perigosa e só duas mil estão com os pais, muitos deles tentaram entrar no nosso país ilegalmente em várias ocasiões", escreveu Trump.

As 12 mil crianças de que fala é o número de menores atualmente em centros de acolhimento, dos quais dois mil foram separados dos pais - que por terem entrado ilegalmente no país são acusados de crimes federais e detidos em centros onde as crianças não podem estar.

"Se não temos fronteiras, não temos um país!", acrescentou o presidente, voltando a apontar o dedo aos democratas.

"Os democratas são o problema. Eles não se preocupam com o crime e querem que os imigrantes ilegais, não importa o quão maus eles possam ser, entrem e infestem o nosso país, como o MS-13. Eles não conseguem ganhar com as políticas terríveis deles, por isso veem-nos como potenciais eleitores!", referiu.

O presidente, que reúne hoje com congressistas republicanos para discutir a política de imigração, reitera a necessidade de mudar a lei. "Agora é a melhor oportunidade de sempre para o Congresso mudar as ridículas e obsoletas leis de imigração. Façam-no, sempre tendo em mente que temos que ter uma forte segurança fronteiriça", referiu.

As mensagens de Trump surgem numa altura em que aumentam as críticas à política de tolerância zero com os imigrantes e há relatos das separações de famílias.

Quão popular é Trump?

Segundo a sondagem das sondagens feita pelo site FiveThirtyEight, 42,2% dos norte-americanos aprovam o presidente. É o valor mais baixo de um presidente dos EUA a esta altura do mandato.

Não é contudo o valor mais baixo registado por Trump. Em dezembro do ano passado, o seu nível de aprovação chegou a ser de 36,4%.

A nível estadual, a popularidade de Trump tem vindo a cair em todos os estados, desde que tomou posse, em janeiro de 2017.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.