Trump não recua: "Se não temos fronteiras, não temos um país!"

Presidente norte-americano volta a abordar a questão da separação das famílias na fronteira, culpando os democratas. Níveis de popularidade mantém-se nos 42%,mas já chegaram a ser de 36% em dezembro.

O presidente norte-americano, Donald Trump, voltou a defender no Twitter a sua política de imigração de "tolerância zero", que resultou na separação de pelo menos duas mil crianças dos pais, entre meados de abril e final de maio.

"Temos sempre que prender as pessoas que entram no nosso país ilegalmente. Das 12 mil crianças, dez mil estão a ser enviadas pelos pais numa viagem muito perigosa e só duas mil estão com os pais, muitos deles tentaram entrar no nosso país ilegalmente em várias ocasiões", escreveu Trump.

As 12 mil crianças de que fala é o número de menores atualmente em centros de acolhimento, dos quais dois mil foram separados dos pais - que por terem entrado ilegalmente no país são acusados de crimes federais e detidos em centros onde as crianças não podem estar.

"Se não temos fronteiras, não temos um país!", acrescentou o presidente, voltando a apontar o dedo aos democratas.

"Os democratas são o problema. Eles não se preocupam com o crime e querem que os imigrantes ilegais, não importa o quão maus eles possam ser, entrem e infestem o nosso país, como o MS-13. Eles não conseguem ganhar com as políticas terríveis deles, por isso veem-nos como potenciais eleitores!", referiu.

O presidente, que reúne hoje com congressistas republicanos para discutir a política de imigração, reitera a necessidade de mudar a lei. "Agora é a melhor oportunidade de sempre para o Congresso mudar as ridículas e obsoletas leis de imigração. Façam-no, sempre tendo em mente que temos que ter uma forte segurança fronteiriça", referiu.

As mensagens de Trump surgem numa altura em que aumentam as críticas à política de tolerância zero com os imigrantes e há relatos das separações de famílias.

Quão popular é Trump?

Segundo a sondagem das sondagens feita pelo site FiveThirtyEight, 42,2% dos norte-americanos aprovam o presidente. É o valor mais baixo de um presidente dos EUA a esta altura do mandato.

Não é contudo o valor mais baixo registado por Trump. Em dezembro do ano passado, o seu nível de aprovação chegou a ser de 36,4%.

A nível estadual, a popularidade de Trump tem vindo a cair em todos os estados, desde que tomou posse, em janeiro de 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.