Trump elogia sistema de saúde de país africano que não existe

Disse ainda que tem muitos "amigos" que vão "enriquecer" para África

O Presidente dos EUA, Donald Trump, disse estar interessado em aumentar o investimento do país em África para ajudar a criar postos de trabalho e oportunidades nos dois lados do Atlântico.

As declarações surgiram num almoço com líderes africanos, em Nova Iorque, em que elogiou o sistema de saúde da Nâmbia. Só há um problema: não existe nenhum país africano com esse nome.

Trump referiu-se, inclusivamente, ao (não existente) país por duas vezes durante o seu discurso, diz a CNN. "Na Guiné e na Nigéria lutaram contra o horrível Ébola", disse. Acrescentou, porém, que o "sistema de saúde da Nâmbia é autossuficiente".

Nas redes sociais, e por toda a Internet, especulou-se sobre que país estaria Trump a falar. Se sobre a Namíbia, a Zâmbia ou a Gâmbia, todos com nomes similares ao que Trump referiu.

A Casa Branca esclareceu mais tarde que o Presidente dos EUA estava a falar sobre a Namíbia, país que não foi atingido pelo surto de Ébola, há cerca de dois anos, que matou milhares de pessoas em África e chegou também a outros países.

A Namíbia, com cerca 2,5 milhões de habitantes, é um dos maiores produtores de urânio do planeta.

Trump tem muitos "amigos" que vão "enriquecer" para África

O Presidente dos EUA falou ainda das oportunidades de investimento em África, esperando também que os países daquele continente possam investir no país norte-americano.

"Tenho tantos amigos que vão para os vossos países para enriquecer", afirmou o Presidente, considerando que África tem um enorme potencial de negócio.

Trump sublinhou que quando vê aqueles líderes, vê "parceiros" na promoção de prosperidade e paz.

O Presidente dos EUA reuniu-se com os líderes de Gana, da África do Sul, da Nigéria, da Costa do Marfim, da Etiópia, da Guiné Conacri, do Senegal, da Namíbia e do Uganda para um almoço à margem da Assembleia-Geral da ONU.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...