"Lobby das armas nunca estará ameaçado enquanto for Presidente"

Donald Trump disse que a NRA é "uma grande organização que ama o seu país"

Donald Trump afirmou hoje aos seus apoiantes da Associação Nacional da Espingarda (NRA, na sigla em Inglês) que a Segunda Emenda "nunca estaria sob ameaça enquanto for Presidente".

Com esta quarta comparência consecutiva na convenção anual deste 'lobby' das armas, Trump consegue assim um intervalo das pressões crescentes resultantes da investigação sobre a interferência russas nas eleições presidenciais que venceu e do caso Stormy Daniels.

Quando se dirigia para a convenção, Trump disse a jornalistas que a NRA é "verdadeiramente uma grande organização que ama o seu país".

O Presidente norte-americano disse aos milhares de presentes que o seu direito a possuir e andar com armas está "sob cerco", mas sem elaborar.

Este discurso de Trump acontece três meses depois de um tiroteio que provocou 17 vítimas mortais numa escola secundária em Parkland, no Estado da Florida.

Os estudantes sobreviventes do tiroteio, ocorrido em 14 de fevereiro no liceu Marjory Stoneman Douglas, estão agora a conduzir um movimento nacional que exige maior controlo no acesso e na posse de armas.

Entretanto, os participantes na convenção da NRA não podem transportar as suas armas, enquanto os inquilinos da Casa Branca estiverem no recinto.

A NRA colocou uma notícia no seu sítio na Internet explicando que o recinto iria estar sob controlo do Serviço Secreto, que tem a cargo a proteção do Presidente, quando Trump e Pence discursarem.

Por norma, os Serviços Secretos não autorizam a presença de armas nos locais visitados pelas pessoas por cuja segurança são responsáveis.

Vários estudantes da escola de Parkland criticaram a NRA nas redes sociais, denunciando o que consideram ser uma hipocrisia.

"É irónico que sintam que precisam de proibir as armas para se protegerem, especialmente quando a sua filosofia tem sido a de que mais armas é igual a mais proteção, apesar de não pensarem que precisam de proteger as nossas crianças da mesma maneira", acusou David Hogg, estudante na escola Marjory Stoneman Douglas, que tem exigido controlo mais forte sobre as armas desde o tiroteio.

Entretanto, grupos de ativistas contra as armas e a violência manifestaram-se hoje em Dallas, no Texas, em protesto contra a participação do Presidente, Donald Trump, na reunião anual da NRA.

Apesar da chuva forte e más condições meteorológicas, os manifestantes concentraram-se no exterior do Centro de Convenções daquela cidade texana, com cartazes que simulavam lápides ou que fazem referência às últimas morte ocorridas nos EUA por ataques com armas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.