Trump está silenciosamente a banir recruta de imigrantes para as forças armadas

Multiplicam-se casos de militares à procura da ajuda de advogados depois de terem sido dispensados sem razão aparente. Programa de naturalização expresso de imigrantes que se quisessem alistar foi lançado por George W. Bush após o 11 de Setembro.

"Era o meu sonho servir nas forças armadas", disse, à Associated Press, o reservista brasileiro Lucas Calixto. "Este país sempre foi tão bom para mim, o que pensei foi que o mínimo que podia fazer era apoiar o meu país de acolhimento, servir como militar os Estados Unidos". Incrédulo, o imigrante apresentou queixa contra o exército na semana passada.

Calixto, que vive no Massachusetts, veio para os EUA com 12 anos. Através da entrevista à AP, por e-mail, disse que se alistou por patriotismo. "Aquilo que sinto é que tudo o que consegui foi por água abaixo e não percebo o que está a acontecer".

A AP diz não ter conseguido quantificar de quantos militares se está a falar, mas advogados que trabalham com imigrantes disseram ter conhecimento de pelo menos 40 casos. Além do brasileiro a reportagem daquela agência noticiosa falou também com recrutas oriundos do Paquistão e do Irão. Estes deram os seus testemunhos a coberto do anonimato.

"Desde 1775 que os imigrantes têm prestado serviço militar. Não teríamos ganho a revolução sem imigrantes. E não vamos vencer a guerra global contra o terrorismo de hoje sem os imigrantes", declarou Margaret Stock, advogada especializada em assuntos de imigração e tenente-coronel na reserva que ajudou a criar o programa de recrutamento. Nos últimos dias, tem sido inundada de pedidos de militares que foram subitamente dispensados.

Muitos dos visados, refere a reportagem da AP, não sabem porque foram dispensados. Os que pressionaram no sentido de obter uma resposta ficaram a saber que tinham passado a ser considerados um risco para a segurança. Outros que não tinham prestado todos os esclarecimentos exigidos pelo Departamento de Defesa.

Um porta-voz do Pentágono admitiu que, devido às situações de litígio em curso, não existem neste momento condições para afirmar as razões concretas da dispensa ou até mesmo para responder se houve ou não mudança de política nalgum dos ramos das forças armadas.

Desde os atentados terroristas do 11 de Setembro de 2001, cerca de 110 mil membros das Forças Armadas obtiveram cidadania norte-americana depois de servir nas forças armadas dos EUA, segundo o Departamento de Defesa, citado pela AP.

O ex-presidente George W. Bush, antecessor de Barack Obama, republicano como Donald Trump, ordenou, em 2002, a naturalização expresso para militares imigrantes num esforço de engrossar as fileiras militares dos EUA. Muitos foram para o Iraque. Para o Afeganistão. Entre outros teatros.

Quando depois Obama decidiu alargar o acesso a esse programa a beneficiários do DACA (Deferred Action for Childhood Arrivals) a polémica estalou e choveram críticas por parte dos conservadores norte-americanos. Afinal, os beneficiários do DACA, plano que agora Trump quer rever, são jovens imigrantes que entraram ilegalmente nos EUA com os pais e que pelos EUA foram ficando.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.