Trump escolhe advogado de Wall Street para regulador da bolsa

Jay Clayton está ligado a interesses empresariais na bolsa nova-iorquina e vai liderar a autoridade reguladora do mercado bolsista e financeiro

O presidente eleito dos EUA, Donald Trump, escolheu esta quarta-feira o advogado Jay Clayton, ligado a interesses empresariais na bolsa nova-iorquina, para liderar a autoridade reguladora do mercado bolsista e financeiro (SEC, na sigla em Inglês).

Clayton, sócio da firma de advocacia Sullivan and Cromwell, tem grande experiência em fusões de empresas e organização de lançamento de títulos. Se for confirmado pelo Senado, as suas responsabilidades vão incluir a garantia da aplicação das regras da SEC feitas sob a lei de 2010 que reconfigurou a regulação financeira depois da crise de 2008-09.

A lei, designada por Dodd-Frank, dos nomes dos seus autores, há muito que é atacada pelos republicanos e está nas prioridades de Trump.

Clayton trabalhou em muitos negócios regulados pela SEC e representou importantes operadores em Wall Street, incluindo Goldman Sachs e Barclays.

Clayton é a mais recente escolha de Trump com ligações a Wall Street. O seu nomeado para a Secretaria do Tesouro, Steven Mnuchin, é um antigo dirigente do Goldman Sachs, onde também foi buscar o presidente Gary Cohn para ser o seu principal conselheiro económico.

Também foi conhecida esta quarta-feira a escolha de uma figura de um reality show televisivo, mundo a que acedeu pela mão de Trump. Omarosa Manigault foi designada assistente presidencial e diretora de Comunicação do Gabinete de Relações Públicas, informou a equipa de Trump que está a gerir o período de transição entre presidências.

Manigault é um dos rostos mais conhecidos deste tipo de programas, desde que em 2004 se estreou no concurso O Aprendiz, emitido pela televisão NBC, que era apresentado por Trump, conhecido então pelo seu império imobiliário. A sua participação neste concurso foi tão marcante que lhe valeu a alcunha de "a vilã".

Hoje com 42 anos, Omarosa Manigault foi ordenada pastora da Igreja Baptista em 2012 e, no seu sítio na internet, designa-se por "reverenda Omarosa Manigault".

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".