Trump engana-se a pintar a bandeira dos EUA

As redes sociais, especialmente o Twitter, tão usada pelo presidente norte-americano, não perdoaram. Os internautas não perdoaram ao perceberem que pintou uma risca azul na bandeira dos EUA

Donald Trump foi fotografado, esta sexta-feira dia 24, a desenhar uma risca azul na bandeira dos EUA durante uma visita a um hospital pediátrico do estado norte-americano do Ohio. Em vez de pintar as riscas, 13, de vermelho e branco. Como é suposto.

As imagens do presidente norte-americano a ajudar crianças desse hospital a colorir a bandeira do país foram inicialmente partilhadas, no Twitter, pelo secretário da Saúde Alex Azar, que acompanhou Trump na visita. Presente esteve também a primeira-dama norte-americana Melania Trump.

As reações, através das redes sociais também, não se fizeram esperar. Talia, estudante e advogada da Califórnia, partilhou as imagens na sua conta de Twitter dizendo que o presidente coloriu de forma errada a bandeira dos EUA. Foi uma entre muitos.

A bandeira norte-americana tem 13 riscas horizontais, vermelhas e brancas, que representam uma das antigas 13 colónias que se declararam independentes e deram origem ao que são hoje os Estados Unidos da América. O vermelho simboliza resistência e coragem e o branco pureza e inocência.

O azul está presente, sim, mas não é na forma de riscas. Essa cor, que simboliza perseverança e justiça, serve de fundo às 50 estrelas brancas que representam os 50 estados que compõem os EUA.

A bandeira dos Estados Unidos serve há meses de pretexto para um conflito entre Donald Trump e os jogadores da National Football League (NFL). Isto porque, para protestar contra a violência policial contra os negros, os jogadores se ajoelham na altura em que é tocado o hino nacional e exibida a bandeira.

"Não me vou levantar para mostrar orgulho pela bandeira de um país que oprime as pessoas negras e de cor", disse o ano passado Colin Kaepernick, que então era jogador do San Francisco 49ers.

Ainda no dia 10 de agosto o presidente, republicano, escreveu na sua conta de Twitter: "Os jogadores da NFL estão outra vez nisto - ajoelham-se quando deviam manter-se orgulhosamente de pé enquanto toca o Hino Nacional. Vários jogadores, de equipas diferentes, queriam mostrar a sua "indignação" em relação a uma coisa que a maior parte das pessoas acha difícil de definir. Eles ganham uma fortuna a fazer o que gostam..."

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.