Trump engana-se a pintar a bandeira dos EUA

As redes sociais, especialmente o Twitter, tão usada pelo presidente norte-americano, não perdoaram. Os internautas não perdoaram ao perceberem que pintou uma risca azul na bandeira dos EUA

Donald Trump foi fotografado, esta sexta-feira dia 24, a desenhar uma risca azul na bandeira dos EUA durante uma visita a um hospital pediátrico do estado norte-americano do Ohio. Em vez de pintar as riscas, 13, de vermelho e branco. Como é suposto.

As imagens do presidente norte-americano a ajudar crianças desse hospital a colorir a bandeira do país foram inicialmente partilhadas, no Twitter, pelo secretário da Saúde Alex Azar, que acompanhou Trump na visita. Presente esteve também a primeira-dama norte-americana Melania Trump.

As reações, através das redes sociais também, não se fizeram esperar. Talia, estudante e advogada da Califórnia, partilhou as imagens na sua conta de Twitter dizendo que o presidente coloriu de forma errada a bandeira dos EUA. Foi uma entre muitos.

A bandeira norte-americana tem 13 riscas horizontais, vermelhas e brancas, que representam uma das antigas 13 colónias que se declararam independentes e deram origem ao que são hoje os Estados Unidos da América. O vermelho simboliza resistência e coragem e o branco pureza e inocência.

O azul está presente, sim, mas não é na forma de riscas. Essa cor, que simboliza perseverança e justiça, serve de fundo às 50 estrelas brancas que representam os 50 estados que compõem os EUA.

A bandeira dos Estados Unidos serve há meses de pretexto para um conflito entre Donald Trump e os jogadores da National Football League (NFL). Isto porque, para protestar contra a violência policial contra os negros, os jogadores se ajoelham na altura em que é tocado o hino nacional e exibida a bandeira.

"Não me vou levantar para mostrar orgulho pela bandeira de um país que oprime as pessoas negras e de cor", disse o ano passado Colin Kaepernick, que então era jogador do San Francisco 49ers.

Ainda no dia 10 de agosto o presidente, republicano, escreveu na sua conta de Twitter: "Os jogadores da NFL estão outra vez nisto - ajoelham-se quando deviam manter-se orgulhosamente de pé enquanto toca o Hino Nacional. Vários jogadores, de equipas diferentes, queriam mostrar a sua "indignação" em relação a uma coisa que a maior parte das pessoas acha difícil de definir. Eles ganham uma fortuna a fazer o que gostam..."

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.