Trump e Erdogan deverão encontrar-se em maio

Ministro turco dos Negócios Estrangeiros anunciou um possível encontro antes da cimeira da NATO

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, deverá reunir-se com o seu homólogo norte-americano, Donald Trump, em maio, antes da cimeira da NATO, disse hoje à imprensa o ministro turco dos Negócios Estrangeiros, Mevlüt Cavusoglu.

"Definiremos uma data para que os dois presidentes se encontrem em maio, antes da cimeira da NATO", disse Cavusoglu.

Os dois dirigentes ainda não se encontraram, mas conversaram várias vezes em telefonemas, num dos quais Trump felicitou Erdogan pela sua vitória de domingo no referendo sobre o reforço dos seus poderes.

Cavusoglu acrescentou que os dois dirigentes exprimiram, nessa curta conversa, uma vontade comum de se reunirem em Washington "para melhorarem as suas relações bilaterais".

Segundo o relato da conversa difundido pelo executivo norte-americano, Trump não apresentou qualquer reserva sobre o escrutínio, que Erdogan venceu com pouco mais de 51% dos votos.

Observadores da OSCE e do Conselho da Europa defenderam na segunda-feira que o referendo não se realizou em condições equitativas.

A Turquia espera manter boas relações com a administração Trump após uma degradação da sua relação com a administração Obama, nomeadamente devido ao apoio de Washington às milícias curdas Unidades de Proteção Popular (YPG) que combatem o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) na Síria.

Ancara, que apoia outros grupos armados sob a bandeira do "Exército Sírio Livre", considera o YPG um grupo terrorista emanado do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

Este assunto tornou-se central no quadro da preparação da operação de reconquista de Raqa, capital autoproclamada do EI na Síria.

A Turquia ofereceu-se várias vezes para participar na operação, mas só se as milícias curdas fossem excluídas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.