Trump e Erdogan deverão encontrar-se em maio

Ministro turco dos Negócios Estrangeiros anunciou um possível encontro antes da cimeira da NATO

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, deverá reunir-se com o seu homólogo norte-americano, Donald Trump, em maio, antes da cimeira da NATO, disse hoje à imprensa o ministro turco dos Negócios Estrangeiros, Mevlüt Cavusoglu.

"Definiremos uma data para que os dois presidentes se encontrem em maio, antes da cimeira da NATO", disse Cavusoglu.

Os dois dirigentes ainda não se encontraram, mas conversaram várias vezes em telefonemas, num dos quais Trump felicitou Erdogan pela sua vitória de domingo no referendo sobre o reforço dos seus poderes.

Cavusoglu acrescentou que os dois dirigentes exprimiram, nessa curta conversa, uma vontade comum de se reunirem em Washington "para melhorarem as suas relações bilaterais".

Segundo o relato da conversa difundido pelo executivo norte-americano, Trump não apresentou qualquer reserva sobre o escrutínio, que Erdogan venceu com pouco mais de 51% dos votos.

Observadores da OSCE e do Conselho da Europa defenderam na segunda-feira que o referendo não se realizou em condições equitativas.

A Turquia espera manter boas relações com a administração Trump após uma degradação da sua relação com a administração Obama, nomeadamente devido ao apoio de Washington às milícias curdas Unidades de Proteção Popular (YPG) que combatem o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) na Síria.

Ancara, que apoia outros grupos armados sob a bandeira do "Exército Sírio Livre", considera o YPG um grupo terrorista emanado do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

Este assunto tornou-se central no quadro da preparação da operação de reconquista de Raqa, capital autoproclamada do EI na Síria.

A Turquia ofereceu-se várias vezes para participar na operação, mas só se as milícias curdas fossem excluídas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.