Trump diz que "sistemas da CIA são obsoletos e devem ser modernizados"

Porta-voz da Casa Branca disse que o presidente "está muito preocupado com a divulgação de informações secretas"

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, considera que os sistemas dos serviços secretos americanos (CIA) são "obsoletos" e devem ser modernizados, disse hoje o porta-voz da Casa Branca quando questionado sobre as recentes revelações do portal WikiLeaks.

"O Presidente está muito preocupado com a divulgação de informações secretas que enfraquece a nossa segurança nacional", declarou Sean Spicer, a propósito da divulgação de documentos sobre as operações de ciberespionagem da CIA (Central Intelligence Agency).

"Ele pensa que os sistemas da CIA são obsoletos e devem ser modernizados", acrescentou o porta-voz da Casa Branca, indo ao encontro das críticas feitas também hoje pelo fundador do portal WikiLeaks, Julian Assange, que acusou a agência de inteligência norte-americana de "incompetência devastadora" por ter armazenado num único "sítio" informações sensíveis.

De acordo com os cerca de 9.000 documentos publicados esta semana pelo portal Wikileaks, a CIA é capaz de realizar, através de ferramentas informáticas, escutas em praticamente qualquer aparelho eletrónico, sejam telemóveis de última geração, computadores ou televisores que estejam ligados à Internet.

A CIA acusou entretanto o portal WikiLeaks de ajudar os inimigos dos Estados Unidos ao revelar os seus métodos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.