Trump diz que "simples acusações" estão a destruir a vida de pessoas

Presidente norte-americano não explicou a que se referia exatamente, mas a publicação no Twitter surge depois da demissão de dois funcionários da Casa Branca por denúncias de violência doméstica

Donald Trump, afirmou este sábado que "simples acusações" estão a destruir a vida de pessoas, depois das demissões de dois funcionários da Casa Branca acusados pela ex-mulheres de violência doméstica.

"A vida de pessoas está a ser destruída e destruída e por simples acusações. Algumas são verdadeiras e outras são falsas. Algumas são velhas e outras novas. Não há recuperação possível para alguém que tenha sido falsamente acusado: a sua vida e a sua carreira acabam. Será que já não existe um processo devido", questionou o Presidente dos EUA no Twitter.

O Presidente norte-americano não explicou a que se referia nas suas declarações no Twitter, onde hoje publicou várias mensagens.

No entanto, estas afirmações surgem depois da demissão de dois funcionários da Casa Branca por denúncias de violência doméstica por parte das ex-mulheres.

O primeiro a deixar o seu posto foi Rob Porter, um conselheiro do Presidente, Donald Trump, acusado por duas ex-mulheres de violência doméstica.

O caso de Porter tornou-se um escândalo porque alegadamente o chefe de gabinete da Casa Branca, John Kelly, e outros altos funcionários conheciam desde há meses as acusações contra aquele e mesmo assim o defenderam e apoiaram a sua promoção.

O segundo funcionário a renunciar ao cargo foi David Sorensen, cujo trabalho consistia em redigir discursos na Casa Branca, depois da ex-mulher o ter acusado de abusos físicos e psicológicos durante os dois anos e meio de casamento, segundo o Washington Post.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...