Trump ataca sentença do homem que "devia ter sido executado"

Donald Trump diz que a decisão de um tribunal militar de poupar a pena de prisão o sargento Bowe Bergdahl, que admitiu ter desertado, envergonha o país e as Forças Armadas.

"A sentença é uma completa e total vergonha para o nosso País e o nosso Exército", escreveu Trump numa mensagem enviada através da rede social Twitter a partir do avião presidencial, Air Force One, que o transporta para uma digressão a vários países asiáticos.

Um tribunal militar norte-americano decidiu hoje que o sargento Bowe Bergdahl, que abandonou o posto no Afeganistão e foi feito prisioneiro pelos talibãs, não vai cumprir pena de prisão.

A sentença, favorável em relação aos crimes de que era acusado, condenou Bergdahl a expulsão desonrosa das Forças Armadas e ao pagamento de uma multa de 10.000 dólares (8.614 euros).

O caso, julgado pelo tribunal de Fort Bragg, na Carolina do Norte, foi muito politizado em torno das consequências que a decisão do militar teve nas vidas de outros militares e da troca de prisioneiros que permitiu a libertação de Bergdahl.

Apesar das muitas críticas à troca, o então Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, recebeu Bowe Bergdahl e os pais na Casa Branca e defendeu publicamente a troca de presos.

Os Estados Unidos não deixam "os seus homens e mulheres de uniforme para trás", disse Obama

"Sejam quais forem as circunstâncias, também trazemos de volta um soldado americano que tenha estado detido. Ponto Final", acrescentou.

O atual Presidente, Donald Trump, então em campanha eleitoral, afirmou que Bergdahl era "um traidor" e "devia ter sido executado"

Bowe Bergdahl era um soldado de 23 anos quando, em junho de 2009, ao fim de cinco meses no Afeganistão, abandonou um posto de vigia perto da fronteira com o Paquistão para, alegou, se juntar a outra unidade e denunciar disfunções daquela a que pertencia.

Raptado pelos talibãs, foi mantido cinco anos em cativeiro, até que em 2014 foi entregue a forças especiais norte-americanas em troca de cinco talibãs detidos em Guantánamo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.