Trump diz que quem aborta deve ter "algum tipo de castigo"

Favorito ao lugar de candidato republicano à Casa Branca defendeu a ilegalização do aborto e a punição da mulher. Depois, tentou recuar, mas já não se livrou das críticas

O polémico milionário Donald Trump, que disputa a nomeação dos republicanos para ser candidato à Presidência dos Estados Unidos, defendeu hoje a imposição de "algum tipo de castigo" para mulheres que abortem.

Donald Trump, que se declarou a favor da ilegalização do aborto, salvo em algumas exceções, falava durante uma entrevista, que só vai ser divulgada ao final do dia nos Estados Unidos.

Depois de várias tentativas para não responder e quando questionado diretamente, Donald Trump disse: a "resposta é que deve haver algum tipo de castigo" para a mulher.

Donald Trump assegurou que ainda não definiu o "tipo de castigo" e reconheceu que se trata de uma questão "muito complicada".

Questionado sobre como se avançaria com a ilegalização da interrupção voluntária da gravidez, Donald Trump disse que provavelmente as pessoas voltariam a fazer o aborto em "lugares ilegais".

"Mas tens de o proibir", defendeu Trump, que se declarou "pró-vida", apesar de ter apoiado anteriormente o direito ao aborto.

Recuo e críticas

Após estas declarações, o candidato republicano recuou. Em comunicado no qual afirma querer esclarecer as suas afirmações anteriores, Donald Trump reitera ser "pró-vida", mas responsabiliza quem realiza tecnicamente o aborto e chama a mulher grávida de "vítima".

"Se o Congresso passasse legislação tornando o aborto ilegal e os tribunais federais admitissem essa legislação, ou se fosse permitido a algum estado abolir o aborto, o médico ou outra pessoa que realizasse esse ato ilegal sobre uma mulher seria legalmente responsabilizável, não a mulher. Neste caso, a mulher seria a vítima, tal como a vida no seu útero", lê-se na nota difundida pela comunicação social americana.

No comunicado, Trump recusa ainda ter mudado de opinião relativamente ao assunto: "A minha posição não mudou - tal como [o ex-Presidente] Ronald Reagan, sou pró-vida, com exceções".

Do lado democrata, não tardaram as reações às primeiras palavras de Trump, Hillary Clinton, no Twitter, chamou escreveu: "Quando se pensava que não podia ser pior. Horrível e revelador".

O rival da ex-primeira dama na corrida democrática às presidenciais, Bernie Sanders, foi mais lacónico: "Eis o vosso principal concorrente republicano, senhoras e senhores. Uma vergonha."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.