Trump diz que "muitas coisas positivas" resultarão da cimeira com Putin

"Demo-nos bem, o que realmente incomodou muitos inimigos que queriam ver um combate de boxe", afirmou o presidente dos EUA, Donald Trump, na rede social Twitter

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse esta quarta-feira que "muitas coisas positivas sairão" da cimeira que teve na segunda-feira com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, em Helsínquia.

"Putin e eu discutimos muitos temas importantes na nossa reunião. Demo-nos bem, o que realmente incomodou muitos inimigos que queriam ver um combate de boxe. Grandes resultados virão", escreveu Trump na rede social Twitter.

Após numerosas críticas por desautorizar as agências secretas dos Estados Unidos perante Putin na conferência de imprensa conjunta após a cimeira de Helsínquia, Trump afirmou na terça-feira que foi mal interpretado quando referiu que não entendia por que a Rússia teria interferido nas eleições de 2016 nos EUA.

"Embora a reunião da NATO tenha sido um triunfo reconhecido, com milhares de milhões de dólares a mais a cargo dos países membros a um ritmo mais acelerado, a reunião com a Rússia poderá ser, a longo prazo, um sucesso ainda maior"

De regresso à Casa Branca, o Presidente norte-americano afirmou que a sua intenção era afirmar que não via os motivos porque a Rússia "não será" responsável.

Mas esta quarta-feira disse: "muitas pessoas ao mais alto nível dos serviços de informações gostaram da minha apresentação na conferência de imprensa em Helsínquia".

"A reunião com a Rússia poderá ser, a longo prazo, um sucesso ainda maior" que a cimeira da NATO, disse ainda, numa referência ao encontro da Aliança Atlântica no qual participou uns dias antes em Bruxelas.

"Embora a reunião da NATO tenha sido um triunfo reconhecido, com milhares de milhões de dólares a mais a cargo dos países membros a um ritmo mais acelerado, a reunião com a Rússia poderá ser, a longo prazo, um sucesso ainda maior. Muitas coisas positivas sairão dessa reunião", adiantou Trump numa nova publicação na rede social.

A cimeira de Helsínquia foi a primeira entre os atuais presidentes russo e norte-americano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.