Trump diz que Kim Jong-un é apenas "um tipo duro"

Donald Trump relativiza acusações de violação dos direitos humanos feitas contra presidente norte-coreano, pois "muitas pessoas fizeram coisas terríveis"

O presidente dos EUA desvalorizou o registo e as acusações de violações de direitos humanos feitas contra Kim Jong-un, que qualifica como "um tipo duro" e um "grande negociador".

As afirmações de Donald Trump foram feitas numa entrevista televisiva à Fox News, a bordo do avião que o levava para Washington após a cimeira de Singapura com Kim Jong-un, na qual minimizou a questão dos direitos humanos e execuções de opositores na Coreia do Norte.

Com o entrevistador, surpreso, a referir que Kim "é um assassino [que] executa pessoas", Trump reafirmou os elogios já feitos em Singapura e contextualizou: "Quando se assume um país, um país difícil, com pessoas difíceis e se assume o lugar do pai, não me importo com quem é, o que é, quanta vantagem tem - se se pode fazer aos 27 anos, só uma [pessoa] em 10 000 poderia fazer isso."

"Por isso, [Kim] é um tipo muito inteligente, é um grande negociador e penso que nos entendemos mutuamente", prosseguiu o presidente dos EUA, país considerado como o líder do mundo livre desde o fim da II Guerra Mundial.

Com o entrevistador, Bret Baier, a insistir que o presidente norte-coreano "fez algumas coisas muito más", Trump replicou sem hesitações: "Sim, mas muitas outras pessoas fizeram algumas coisas realmente más. Poderia listar muitas nações onde muitas coisas trágicas foram feitas."

Sobre a retirada dos quase 30 mil militares norte-americanos estacionados na Coreia do Sul, onde os EUA estão em permanência desde o fim da guerra na península (1950-1953), Trump disse que o assunto "nunca foi discutido" na cimeira sobre a desnuclearização da Coreia do Norte.

Contudo, reafirmou a vontade de o fazer "assim que possível" porque manter essa força de combate "custa muito dinheiro" aos EUA.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.