Trump diz que Kim Jong-un é apenas "um tipo duro"

Donald Trump relativiza acusações de violação dos direitos humanos feitas contra presidente norte-coreano, pois "muitas pessoas fizeram coisas terríveis"

O presidente dos EUA desvalorizou o registo e as acusações de violações de direitos humanos feitas contra Kim Jong-un, que qualifica como "um tipo duro" e um "grande negociador".

As afirmações de Donald Trump foram feitas numa entrevista televisiva à Fox News, a bordo do avião que o levava para Washington após a cimeira de Singapura com Kim Jong-un, na qual minimizou a questão dos direitos humanos e execuções de opositores na Coreia do Norte.

Com o entrevistador, surpreso, a referir que Kim "é um assassino [que] executa pessoas", Trump reafirmou os elogios já feitos em Singapura e contextualizou: "Quando se assume um país, um país difícil, com pessoas difíceis e se assume o lugar do pai, não me importo com quem é, o que é, quanta vantagem tem - se se pode fazer aos 27 anos, só uma [pessoa] em 10 000 poderia fazer isso."

"Por isso, [Kim] é um tipo muito inteligente, é um grande negociador e penso que nos entendemos mutuamente", prosseguiu o presidente dos EUA, país considerado como o líder do mundo livre desde o fim da II Guerra Mundial.

Com o entrevistador, Bret Baier, a insistir que o presidente norte-coreano "fez algumas coisas muito más", Trump replicou sem hesitações: "Sim, mas muitas outras pessoas fizeram algumas coisas realmente más. Poderia listar muitas nações onde muitas coisas trágicas foram feitas."

Sobre a retirada dos quase 30 mil militares norte-americanos estacionados na Coreia do Sul, onde os EUA estão em permanência desde o fim da guerra na península (1950-1953), Trump disse que o assunto "nunca foi discutido" na cimeira sobre a desnuclearização da Coreia do Norte.

Contudo, reafirmou a vontade de o fazer "assim que possível" porque manter essa força de combate "custa muito dinheiro" aos EUA.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.