Trump diz que Kim Jong-un é apenas "um tipo duro"

Donald Trump relativiza acusações de violação dos direitos humanos feitas contra presidente norte-coreano, pois "muitas pessoas fizeram coisas terríveis"

O presidente dos EUA desvalorizou o registo e as acusações de violações de direitos humanos feitas contra Kim Jong-un, que qualifica como "um tipo duro" e um "grande negociador".

As afirmações de Donald Trump foram feitas numa entrevista televisiva à Fox News, a bordo do avião que o levava para Washington após a cimeira de Singapura com Kim Jong-un, na qual minimizou a questão dos direitos humanos e execuções de opositores na Coreia do Norte.

Com o entrevistador, surpreso, a referir que Kim "é um assassino [que] executa pessoas", Trump reafirmou os elogios já feitos em Singapura e contextualizou: "Quando se assume um país, um país difícil, com pessoas difíceis e se assume o lugar do pai, não me importo com quem é, o que é, quanta vantagem tem - se se pode fazer aos 27 anos, só uma [pessoa] em 10 000 poderia fazer isso."

"Por isso, [Kim] é um tipo muito inteligente, é um grande negociador e penso que nos entendemos mutuamente", prosseguiu o presidente dos EUA, país considerado como o líder do mundo livre desde o fim da II Guerra Mundial.

Com o entrevistador, Bret Baier, a insistir que o presidente norte-coreano "fez algumas coisas muito más", Trump replicou sem hesitações: "Sim, mas muitas outras pessoas fizeram algumas coisas realmente más. Poderia listar muitas nações onde muitas coisas trágicas foram feitas."

Sobre a retirada dos quase 30 mil militares norte-americanos estacionados na Coreia do Sul, onde os EUA estão em permanência desde o fim da guerra na península (1950-1953), Trump disse que o assunto "nunca foi discutido" na cimeira sobre a desnuclearização da Coreia do Norte.

Contudo, reafirmou a vontade de o fazer "assim que possível" porque manter essa força de combate "custa muito dinheiro" aos EUA.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.