Trump diz que Kim Jong-un é apenas "um tipo duro"

Donald Trump relativiza acusações de violação dos direitos humanos feitas contra presidente norte-coreano, pois "muitas pessoas fizeram coisas terríveis"

O presidente dos EUA desvalorizou o registo e as acusações de violações de direitos humanos feitas contra Kim Jong-un, que qualifica como "um tipo duro" e um "grande negociador".

As afirmações de Donald Trump foram feitas numa entrevista televisiva à Fox News, a bordo do avião que o levava para Washington após a cimeira de Singapura com Kim Jong-un, na qual minimizou a questão dos direitos humanos e execuções de opositores na Coreia do Norte.

Com o entrevistador, surpreso, a referir que Kim "é um assassino [que] executa pessoas", Trump reafirmou os elogios já feitos em Singapura e contextualizou: "Quando se assume um país, um país difícil, com pessoas difíceis e se assume o lugar do pai, não me importo com quem é, o que é, quanta vantagem tem - se se pode fazer aos 27 anos, só uma [pessoa] em 10 000 poderia fazer isso."

"Por isso, [Kim] é um tipo muito inteligente, é um grande negociador e penso que nos entendemos mutuamente", prosseguiu o presidente dos EUA, país considerado como o líder do mundo livre desde o fim da II Guerra Mundial.

Com o entrevistador, Bret Baier, a insistir que o presidente norte-coreano "fez algumas coisas muito más", Trump replicou sem hesitações: "Sim, mas muitas outras pessoas fizeram algumas coisas realmente más. Poderia listar muitas nações onde muitas coisas trágicas foram feitas."

Sobre a retirada dos quase 30 mil militares norte-americanos estacionados na Coreia do Sul, onde os EUA estão em permanência desde o fim da guerra na península (1950-1953), Trump disse que o assunto "nunca foi discutido" na cimeira sobre a desnuclearização da Coreia do Norte.

Contudo, reafirmou a vontade de o fazer "assim que possível" porque manter essa força de combate "custa muito dinheiro" aos EUA.

Ler mais

Exclusivos

Premium

25 de Abril

"Em Peniche, fechei a boca, nunca disse nada, levei muita pancada"

Esteve para ser entregue a privados, mas o governo voltou atrás e decidiu converter a fortaleza em Museu Nacional da Resistência e da Liberdade. Querem preservar a memória daqueles que por aqui passaram. Foram 2500, sobrevivem 50. Entre eles, José Pedro Soares, que nos guiou pelos corredores estreitos até à sua antiga cela.