Trump diz que a Rússia devia estar na cimeira do G7

Presidente admite que "pode não ser politicamente correto", mas "temos um mundo para gerir". Giuseppe Conte concorda com regresso de Moscovo.

O presidente norte-americano, Donald Trump, disse que a Rússia devia estar a participar na cimeira do G7. Moscovo foi afastado das reuniões dos países mais ricos do mundo após a anexação da Crimeia, em 2014.

"Amo o nosso país. Tenho sido o pior pesadelo da Rússia... Mas, dito isto, a Rússia devia estar neste encontro", disse Trump antes de deixar a Casa Branca e partir para a reunião, que decorre hoje e amanhã no Quebeque.

"Pode não ser politicamente correto, mas temos um mundo para gerir. Deviam deixar a Rússia voltar a entrar", acrescentou.

Os comentário de Trump poderão tornar a cimeira, que já será marcada pela questão das tarifas impostas pelos EUA aos parceiros, ainda mais conflituosa.

Conte de acordo

O novo primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, concorda com o regresso da Rússia.

"Estou de acordo com o presidente Trump. A Rússia devia ser readmitida no G8. É no interesse de todos", indicou num tweet enviado já no Quebeque, onde faz hoje a sua estreia nos grandes palcos internacionais.

O governo italiano, apoiado pelo Movimento 5 Estrelas (antissistema) e pela Liga Norte (extrema-direita), defende uma reaproximação à Rússia, assim como o fim das sanções económicas a Moscovo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.