Trump diz desconhecer mulher que o acusa de assédio sexual

Presidente norte-americano assegura que não conhece a mulher que o voltou hoje a acusar de a ter assediado sexualmente em 2006, em Nova Iorque, e que reafirma ao Washington Post a sua versão.

"Uma mulher que não conheço e que, tanto quanto me recordo, nunca conheci, está na manchete do Meio de Notícias Falsas Washington Post dizendo que a beijei (durante dois minutos) no vestíbulo da Torre Trump há 12 anos. Nunca aconteceu!", escreveu hoje Trump na sua conta oficial na rede social Twitter.

"Quem faria isso num espaço público com câmaras de segurança ativas em direto? Outra acusação falsa", acrescentou.

"Por que é que o @washingtonpost não informa sobre as mulheres que aceitaram dinheiro para inventarem histórias sobre mim? Uma delas conseguiu pagar a sua hipoteca. Só a @FoxNews informou isso (...). Não encaixa na narrativa dos meios de comunicação generalistas", disse ainda Trump.

O diário The Washington Post publicou um perfil de Rachel Crooks, uma das 19 mulheres que garantem que Trump as assediou sexualmente.

Crooks, de 35 anos, acusou Trump pela primeira vez antes das eleições de novembro de 2016, afirmando que a beijou à força em janeiro de 2006, na torre de Nova Iorque que tem o nome do então multimilionário do imobiliário.

Também através da rede social Twitter, Crooks respondeu hoje às mensagens de Trump, desafiando-o a divulgar "as gravações" das câmaras de segurança "no passeio frente aos elevadores do piso 24", onde assegurou que ocorreu o beijo, e não no vestíbulo da Torre Trump, como afirmou o presidente.

"Deixemos isto claro para todo o mundo. São os mentirosos na política como o senhor que me levaram a candidatar-me a um cargo público", escreveu Crooks no Twitter, aludindo ao anúncio que fez este mês de que vai concorrer pelos democratas a um lugar na Câmara dos Representantes do Estado do Ohio.

No perfil feito pelo Washington Post citaram-se as palavras de Crooks durante uma reunião recente com um grupo de mulheres no Ohio, em que contou o incidente que, garantiu, ocorreu quando Trump tinha 59 anos e ela 22 e trabalhava como secretária para uma empresa instalada no edifício homónimo do presidente norte-americano.

Um dia "ele estava à espera do elevador fora do nosso escritório, quando consegui coragem para me apresentar", relatou. "Agarrou-me na mão e mantive-me firme. Começou a beijar numa face, depois na outra. Entre os beijos, falava comigo e perguntava-se de onde era e se queria ser modelo. Não me soltava a mão e logo começou a beijar-me nos lábios. Foi um beijo prolongado, se calhar durou dois minutos, talvez menos", diz crooks.

Durante a campanha eleitoral de 2016, Trump negou todas as acusações de abuso sexual que lhe foram feitas. Chegou a sugerir que algumas das mulheres que o tinham acusado estavam a mentir porque não eram suficientemente atraentes para que uisesse ter qualquer relação com elas.

A Casa Branca já veio dizer que o facto de Trump ter sido eleito demonstra que os norte-americanos não querem saber das acusações, ou não acreditam nelas.

Não obstante, o crescimento do movimento 'Me Too', relativo às denúncias feitas por mulheres conhecidas de situações de assédio sexual, e a acusação de violência doméstica contra um seu ex-assessor na Casa Branca, Rob Porter, colocaram Trump em posição incómoda. Já este mês, Trump defendeu o "devido processo" para os homens acusados de abusos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.