Trump desmente ter discutido assassinato do presidente da Síria

Revelação foi feita no novo livro do jornalista norte-americano Bob Woodward, que traça um relato demolidor das relações de Trump com os funcionários da Casa Branca

Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, desmentiu esta quarta-feira as acusações que lhe foram feitas pelo jornalista Bob Woodward, no seu novo livro, de que teria discutido o assassinato do presidente sírio Bashar al-Assad. "Essa ideia nunca foi discutida", reagiu Trump.

No livro, Woodward garante que Trump ordenou ao Pentágono o assassinato do líder sírio depois de um ataque com armas químicas sobre civis em abril de 2017, culpando Bashar al-Assad. "Vamos matá-lo! Vamos a isso. Vamos matá-los", terá dito Trump a James Mattis, secretário da Defesa norte-americano.

Osecretário da Defesa norte-americano, desmentiu as afirmações que lhe são atribuídas no livro de Bob Woodward, um dos mais respeitados jornalistas norte-americanos - contribuiu para dois prémios Pulitzer atribuídos ao Post em 1973 (pela investigação ao escândalo Watergate) e em 2002, pela cobertura jornalística dos ataques terroristas do 11 de Setembro. O governante chegou mesmo a apelidar o livro como um "género único de literatura de Washington", garantindo que as "fontes anónimas não lhe dão credibilidade".

O livro, intitulado Fear: Trump in the White House, faz um retrato demolidor de como os funcionários de topo da Casa Branca tentam contrariar os impulsos de Donald Trump através de um "golpe de Estado administrativo", escondendo documentos ou afirmando uma coisa e fazendo outra.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.