Trump desmente ter discutido assassinato do presidente da Síria

Revelação foi feita no novo livro do jornalista norte-americano Bob Woodward, que traça um relato demolidor das relações de Trump com os funcionários da Casa Branca

Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, desmentiu esta quarta-feira as acusações que lhe foram feitas pelo jornalista Bob Woodward, no seu novo livro, de que teria discutido o assassinato do presidente sírio Bashar al-Assad. "Essa ideia nunca foi discutida", reagiu Trump.

No livro, Woodward garante que Trump ordenou ao Pentágono o assassinato do líder sírio depois de um ataque com armas químicas sobre civis em abril de 2017, culpando Bashar al-Assad. "Vamos matá-lo! Vamos a isso. Vamos matá-los", terá dito Trump a James Mattis, secretário da Defesa norte-americano.

Osecretário da Defesa norte-americano, desmentiu as afirmações que lhe são atribuídas no livro de Bob Woodward, um dos mais respeitados jornalistas norte-americanos - contribuiu para dois prémios Pulitzer atribuídos ao Post em 1973 (pela investigação ao escândalo Watergate) e em 2002, pela cobertura jornalística dos ataques terroristas do 11 de Setembro. O governante chegou mesmo a apelidar o livro como um "género único de literatura de Washington", garantindo que as "fontes anónimas não lhe dão credibilidade".

O livro, intitulado Fear: Trump in the White House, faz um retrato demolidor de como os funcionários de topo da Casa Branca tentam contrariar os impulsos de Donald Trump através de um "golpe de Estado administrativo", escondendo documentos ou afirmando uma coisa e fazendo outra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.