Trump dá ordem para reunir famílias separadas

Desde meados de abril, 2300 menores foram afastados dos pais. Ordem executiva só travava novas separações. No Facebook, associação já angariou 16 milhões de dólares

A ordem executiva assinada pelo presidente dos EUA para travar a separação de pais e filhos na fronteira era omissa em relação às mais de 2300 crianças que já não estão junto da família. Para retificar a situação e ainda sob pressão, Donald Trump disse ter dado ordens às agências federais para começarem a reunir os menores com os progenitores. Enquanto isso, a sociedade civil norte-americana mantém os apelos à mobilização contra a política de tolerância zero de Trump para com os migrantes.

A primeira-dama Melania Trump visitou de surpresa um dos centros de acolhimento de menores em McAllen, no Texas, pedindo que as crianças sejam reunidas com as famílias "o mais rapidamente possível". Ao mesmo tempo que decorria a visita, o marido dizia numa reunião de gabinete ter dado ordens para isso acontecer. Melania visitou um centro onde 55 crianças, com idades entre os 12 e os 17 anos, estão alojadas. Seis deles foram separados dos pais na fronteira.

Angariação de fundos

A associação RAICES (sigla em inglês do Centro para a Educação e Serviços Jurídicos de Refugiados e Imigrantes, que significa em espanhol raízes) lançou um apelo a donativos através do Facebook. Em apenas cinco dias conseguiu recolher mais de 16 milhões de dólares, doados por mais de 420 mil pessoas - um recorde neste tipo de iniciativas através desta rede social.

O objetivo inicial era recolher 1500 dólares, um valor que agora parece irisório. "Esta recolha de fundos começou com a esperança de reunir talvez uma família, mas cresceu. Cresceu tanto que não podia ser ignorada. Cresceu para uma comunidade, para algo que vai ajudar todas as famílias separadas", dizem na página da iniciativa. "Não duvide que a Administração está a mudar de rumo porque as pessoas falaram. Você falou. Mostrou que não está bem com isto, que nada disto é ok, e que não o vai tolerar", acrescentam no Facebook.

Nem todos os que fazem donativos são anónimos: no dia do 72.º aniversário de Trump,a modelo Chrissy Teigen e o marido, o cantor John Legend, doaram 72 mil dólares para o apoio jurídico a migrantes. Também o ator George Clooney e a mulher, a advogada e ativista Amal Clooney, doaram cem mil dólares para ajudar. A este tipo de iniciativas juntam-se outras, como a das companhias aéreas American Airlines ou United Airlines que recusaram transportar crianças que tenham sido separadas dos pais.

Depois da ordem executiva

A ordem executiva de Trump visa travar a separação das famílias, mas nada dizia sobre as mais de 2300 crianças que terão sido separadas aos pais desde meados de abril. Destas, não se sabe quantas continuam afastadas dos progenitores que, por terem cruzado ilegalmente a fronteira, são alvo de uma queixa-crime e detidos ao abrigo da política de tolerância zero de Trump. No passado, se não fossem reincidentes, eram apenas sujeitos a um processo civil de deportação.

E há adultos que foram entretanto deportados, tendo os filhos continuado nos EUA - uma vez separados dos pais, são tratados como menores não acompanhados e podem perder-se no sistema.

Depois de dizer que só o Congresso podia impedir as separações com uma nova lei, Trump deixou indicações para que o Departamento de Segurança Interna "mantenha a custódia das famílias de estrangeiros" no "período de tempo permitido por lei". São 20 dias, ao abrigo da chamada decisão de Flores que remonta a 1997, o que pode gerar novos problemas no final deste prazo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.