Trump cedeu e a solução é deter pais junto dos filhos

Presidente dos EUA não põe fim à política de tolerância zero, mas deu ordem para garantir que famílias não serão separadas e que terão prioridade no processo migratório

O presidente norte-americano, Donald Trump, cede na separação de pais e filhos migrantes na fronteira, mas não abdica da política de tolerância zero. A solução encontrada, através da assinatura de uma ordem executiva, passa por deter os pais junto com os filhos e dar a estas famílias prioridade nos processos de imigração. Desde o início, em meados de abril, da política de tolerância zero, que prevê acusações criminais para todos os que sejam apanhados a cruzar ilegalmente a fronteira, mais de 2300 famílias foram separadas.

"Vou assinar algo que é preventivo, mas que em última análise será equiparado pelos legisladores, tenho a certeza", afirmou Trump, que até agora tinha sempre garantido que não podia fazer nada e que só o Congresso tinha poder para alterar a lei. E culpava os democratas por isso. "Queremos segurança para o nosso país e ao mesmo tempo compaixão", afirmou, dizendo que vai garantir isso mesmo. Após reunir com congressistas, Trump deixou o desabafo: "O dilema é que se és fraco... o país vai ser invadido por milhões de pessoas, e se és forte, então não tens coração."

Segundo a AP, a primeira-dama terá ajudado à mudança de opinião do presidente. Melania Trump, que já tinha dito publicamente "odiar ver as famílias separadas", terá reiterado essa opinião ao marido, indicou um responsável da Casa Branca à agência de notícias. "Há algum tempo" que ela defende junto de Trump a necessidade de "fazer tudo o que é possível para ajudar as famílias a ficarem juntas, quer seja trabalhando com o Congresso ou a fazer pessoalmente alguma coisa".

Mudanças no Congresso

A Câmara dos Representantes deverá votar esta quinta-feira duas leis que permitem uma reforma no sistema de migração e acabar com a separação das famílias na fronteira - que ocorre porque os menores não podem ir para as prisões federais que estão a acolher os pais, enquanto aguardam pelo julgamento por entrada ilegal nos EUA.

"Com a nossa lei, quando as pessoas forem acusadas por terem cruzado ilegalmente a fronteira, as famílias vão continuar juntas durante todo o procedimento legal, sob a autoridade da Segurança Interna", afirmou Paul Ryan, líder republicano na Câmara dos Representantes, onde o partido de Trump tem maioria. Mas não é certo que tenha o apoio necessário para aprovar as leis previstas, com Trump a dizer que apoiaria qualquer uma delas, sem dizer qual preferia.

Primeiro nos pedidos de asilo

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) revelou entretanto que os EUA foram, em 2017, o primeiro país em número de pedidos de asilo - 330 mil no total, um aumento de 26% em relação ao ano anterior. Cerca de 40% dos que pedem asilo são de El Salvador, Venezuela e Guatemala, num perfil bastante diferente do que acontece na Europa (sírios, afegãos e iraquianos).

Na apresentação dos dados, o secretário-geral da OCDE, José Ángel Gurria, criticou a política de Trump: "A legislação nos países da OCDE sobre os menores segue os princípios do interesse superior da criança. Neste caso, como notou a UNICEF, a separação não é certamente no melhor interesse da criança."

Não foi a única crítica. A primeira-ministra britânica, Theresa May, disse no debate semanal que as imagens de crianças em jaulas nos centros de detenção são "profundamente perturbadoras. É errado e é algo com que não concordo". Contudo, isso não é suficiente para cancelar a visita de Trump ao Reino Unido, marcada para 13 de julho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.