Trump cancela visita de Pompeo à Coreia do Norte

O presidente dos EUA cancelou a visita do secretário de Estado, Mike Pompeo, à Coreia do Norte, por considerar que "não há progressos suficientes" no processo de desnuclearização e culpa a China pelos atrasos no processo

A viagem do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, à Coreia do Norte estava prevista realizar-se na próxima semana, mas o presidente dos EUA cancelou-a. Donald Trump justifica a decisão por considerar que "não há progressos suficientes" em relação à desnuclearização da península coreana.

No Twitter, o presidente dos EUA atribui culpas à China, que, afirma, não está a ajudar no processo. Na rede social, Trump não descarta a ida de Pompeo à Coreia do Norte "num futuro próximo", o que deverá acontecer após a resolução das relações comerciais com a China. "Entretanto, gostaria de enviar colorosos cumprimentos ao líder Kim. Espero vê-lo em breve", escreveu no Twitter.

A decisão de Donald Trump acontece um dia depois de Pompeo anunciar a sua viagem até à Coreia do Norte. Na altura, aos jornalistas, o secretário de Estado anunciou a nomeação de um enviado especial para Pyongyang, Stephen Biegun, que o iria acompanhar na viagem. "O Steve vai liderar a política dos Estados Unidos em relação à Coreia do Norte e os nossos esforços para atingir o objetivo do presidente [Donald] Trump, a desnuclearização definitiva e completamente verificada da Coreia do Norte", afirmou Pompeo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.