Trump cancela visita de Pompeo à Coreia do Norte

O presidente dos EUA cancelou a visita do secretário de Estado, Mike Pompeo, à Coreia do Norte, por considerar que "não há progressos suficientes" no processo de desnuclearização e culpa a China pelos atrasos no processo

A viagem do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, à Coreia do Norte estava prevista realizar-se na próxima semana, mas o presidente dos EUA cancelou-a. Donald Trump justifica a decisão por considerar que "não há progressos suficientes" em relação à desnuclearização da península coreana.

No Twitter, o presidente dos EUA atribui culpas à China, que, afirma, não está a ajudar no processo. Na rede social, Trump não descarta a ida de Pompeo à Coreia do Norte "num futuro próximo", o que deverá acontecer após a resolução das relações comerciais com a China. "Entretanto, gostaria de enviar colorosos cumprimentos ao líder Kim. Espero vê-lo em breve", escreveu no Twitter.

A decisão de Donald Trump acontece um dia depois de Pompeo anunciar a sua viagem até à Coreia do Norte. Na altura, aos jornalistas, o secretário de Estado anunciou a nomeação de um enviado especial para Pyongyang, Stephen Biegun, que o iria acompanhar na viagem. "O Steve vai liderar a política dos Estados Unidos em relação à Coreia do Norte e os nossos esforços para atingir o objetivo do presidente [Donald] Trump, a desnuclearização definitiva e completamente verificada da Coreia do Norte", afirmou Pompeo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.