Trump ataca Theresa May. "Não se foque em mim"

Presidente dos EUA não gostou das críticas da primeira-ministra britânica após ter partilhado vídeos antimuçulmanos

Theresa May criticou ontem o presidente norte-americano por este ter partilhado no Twitter vídeos antimuçulmanos que tinham sido publicados inicialmente por uma responsável política britânica de extrema-direita. Donald Trump não gostou e atacou, em poucas mas duras palavras, a primeira-ministra britânica.

"Não se foque em mim. Foque-se no destrutivo terrorismo islâmico radical que está a acontecer no Reino Unido. Nós estamos bem", escreveu Donald Trump no Twitter.

Theresa May criticara, por intermédio do seu porta-voz, o facto de Trump ter partilhado três vídeos inicialmente publicados por Jayda Fransen, vice-presidente da organização de extrema-direita e ultranacionalista Britain First, que mostram situações de vandalismo e atos de violência cometidos por pessoas que são apresentadas como muçulmanas. "É errado que o presidente tenha feito isso", afirmou.

Uma onda de contestação levantou-se hoje no Reino Unido após a resposta de Donald Trump às críticas da primeira-minstra britânica.

A ministra do Interior britânica, Amber Rudd, insistiu na avaliação de May: Trump "errou" ao divulgar os vídeos junto dos seus seguidores, que ascendem a mais de 44 milhões de pessoas.

No entanto, Rudd também tentou desvalorizar a questão e acalmar a tensão: "Quando vemos de forma mais abrangente, (...) eu sei como é valiosa a amizade entre as nossas duas nações", disse a ministra, recordando a "importância" desta relação bilateral e a "vital" partilha de informação [por parte dos serviços secretos] que, "sem qualquer dúvida, salvou vidas britânicas".

O presidente da câmara (mayor) de Londres, o muçulmano Sadiq Khan, manifestou na quarta-feira uma posição muito mais dura, tal como já tinha feito, em ocasiões anteriores, em relação a Trump.

"O presidente Trump utilizou o Twitter ontem (quarta-feira) para promover um grupo abjeto que existe apenas para semear a divisão e o ódio no nosso país", referiu Sadiq Khan em comunicado.

Por isso mesmo, o presidente da maior e mais influente câmara municipal britânica viu na atitude de Trump "uma traição à relação especial" entre o Reino Unido e os Estados Unidos, e exigiu a Theresa May que use a sua influência para fazer com que o Presidente dos EUA "apague os seus tweets e peça desculpa ao povo britânico".

Sadiq Khan foi visado por Trump no passado, quando o Presidente o acusou de desvalorizar a ameaça terrorista na cidade de Londres.

Vários responsáveis políticos, incluindo Khan, voltaram a pedir a Theresa May que retire o polémico convite para uma visita de Estado de Trump ao Reino Unido. O convite foi feito em janeiro e a visita já foi adiada uma vez, para 2018, devido a uma petição nesse sentido e vários protestos.

Na altura, os britânicos pediam, entre outras coisas, que a Rainha Isabel II fosse poupada a ter de receber o Chefe de Estado norte-americano, Donald Trump, por causa das suas posições extremas.

O incidente traz mais uma incerteza: o estado da relação bilateral Reino Unido-EUA quando os britânicos mais dependem dela.

Quando o Reino Unido sair da União Europeia, vai precisar de assinar rapidamente um acordo comercial de peso e os Estados Unidos são a opção óbvia.

As críticas de vários quadrantes obrigaram a primeira-ministra May a reafirmar a sua posição: Trump cometeu um erro, mas a relação entre os dois países continua a ser especial.

"Já o disse de forma muito clara, fazer um retweet do Britain First foi um erro", mas "nós temos uma relação especial a longo prazo" com os Estados Unidos e "é uma relação que perdura. É do interesse de ambos os países que ela continue", afirmou May à margem de um discurso em Amã, Jordânia.

Desde que Trump é presidente, Theresa May tentou estabelecer com ele boas relações. Foi a primeira chefe de governo a visitar os Estados Unidos depois de este ter tomado posse e convidou-o a visitar o Reino Unido, suscitando muitas críticas daqueles que se opõem às políticas do republicano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.