Trump apoia marcha anti-aborto. Nunca um presidente o tinha feito

Atual inquilino da Casa Branca discursou perante os participantes da Marcha pela Vida. E cometeu uma gafe

"Honrado e orgulhoso". Foi como Donald Trump se afirmou, esta sexta-feira, por apoiar o movimento anti-aborto Marcha pela Vida frente à Casa Branca, em Washington. Foi a primeira vez na História que um presidente americano em exercício declarou apoio a tal causa.

"Este é um movimento nascido do amor... Vocês amam cada criança nascida ou por nascer, porque acreditam que cada vida é sagrada, que cada criança é uma dádiva de Deus", declarou Trump.

Antes, o vice-presidente, Mike Pence, descrevera Trump como o "presidente da história americana mais pró-vida". Pence, que é evangélico, anti-aborto e contra os direitos dos homossexuais, tinha no ano passado apoiado uma manifestação semelhante, tornando-se então o mais alto titular de um cargo público a participar numa ação do género, segundo noticia o britânico Independent.

Segundo a mesma fonte, no seu discurso, Donald Trump acabou por cometer uma gafe: "Atualmente, em alguns estados, a lei permite que um bebé nasça do útero materno aos nove meses. Isto é errado, isto tem de acabar".

A ação de Trump foi já criticada pela organização Planned Parenthood, segundo a qual a atual administração americana têm estado "totalmente focada em usar o seu poder para controlar o corpo das mulheres".

O aborto é legal nos Estados Unidos há mais de 40 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.