"É triste de ver", diz Trump. Mais de mil desaparecidos na Califórnia

Presidente norte-americano viajou para ver no terreno o impacto do incêndio que já fez 71 mortos

O presidente norte-americano, Donald Trump, está na Califórnia para visitar as zonas mais afetadas pelo incêndio que já consumiu 59 mil hectares de terreno no norte do estado. Há, até ao momento, 71 mortos identificados, mas teme-se que o número possa aumentar: segundo as autoridades, há mais de mil desaparecidos (apesar de admitirem que a lista pode conter duplicações).

"Há muitas pessoas desaparecidas, muitas mais do que alguém poderia imaginar", disse o presidente quando deixou a Casa Branca, a caminho do Air Force One que o levou até à base militar de Beale, alguns quilómetros a sul da pequena cidade de Paradise, uma das mais afetadas pelo trágico incêndio. "Quero estar ao lado dos bombeiros", acrescentou, destacando a sua "coragem extraordinária".

Trump sobrevoou de helicóptero a área afetada. Acompanhado pelo governador Jerry Brown e pelo vice-governador Gavin Newsom (ambos democratas), Trump visitou depois um dos bairros de Paradise que ficou destruído. "É triste de ver", disse o presidente no meio das ruínas. "No que diz respeito ao número de mortos, ninguém sabe nesta altura, há muitas pessoas desaparecidas", acrescentou.

O "Camp Fire", como é conhecido, é apenas um dos incêndios que está a atingir a Califórnia. No sul, perto de Los Angeles, o "Woolsey Fire" queimou já perto de 40 mil hectares, atingido a zona de Malibu onde vários famosos têm as suas casas. Fez três mortos.

Mais de nove mil bombeiros estão destacados para ambos os incêndios, que já levaram à evacuação de dezenas de milhares de pessoas.

Segundo os especialistas, a região norte da Califórnia tem atualmente a pior qualidade de ar do mundo por causa dos incêndios. É pior do que cidades poluídas na Índia ou na China, que costumam ter esse epíteto.

A primeira reação do presidente aos incêndios causou polémica. "Não há nenhuma razão para estes incêndios florestais massivos, mortíferos e custosos na Califórnia exceto pelo facto de a gestão florestal ser tão pobre. Milhões de dólares são dados todos os anos, com tantas vidas perdidas, tudo por causa da má administração das florestas. Resolvam a situação agora ou não recebem mais dinheiro federal", escreveu então no Twitter.

Trump vai aproveitar a viagem à Califórnia para prestar também homenagem às 12 pessoas mortas por um atirador (que se suicidou) num bar em Thousand Oaks, a 7 de novembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.