Trump anuncia que afinal sempre há cimeira com Kim Jong-un a 12 de junho

Presidente dos EUA confirma cimeira em Singapura com o líder norte-coreano a 12 de junho

Depois de se reunir esta sexta-feira com um enviado norte-coreano, Donald Trump anunciou aos jornalistas que a cimeira EUA-Coreia do Norte sempre terá lugar em Singapura a 12 de junho.

"Acho que, provavelmente, vamos ser muito bem sucedidos e, no final, ter um processo muito bem sucedido", declarou aos jornalistas na Casa Branca o chefe do Estado norte-americano.

"Seria um grande erro se não tivéssemos esta cimeira", disse Trump, depois de ter estado reunido com o enviado norte-coreano Kim Yong-chol, durante 90 minutos, na Sala Oval.

O responsável norte-coreano, um antigo espião e atualmente o negociador máximo sobre o nuclear de Pyonygang, entregou, em mão, uma carta do presidente da Coreia do Norte, KIm Jong-un.

Questionado sobre o compromisso dos norte-coreanos com a desnuclearização, Trump disse: "Eu acho que eles querem fazer isso. Eu sei que eles querem isso. Eles querem desenvolver o país deles".

Na semana passada, Trump dera a cimeira de Singapura como cancelada, tendo dirigido uma carta ao presidente norte-coreano sobre o assunto. Na mesma altura, Pyongyang destruíra o local onde realizava testes nucleares.

Esta é uma mudança dramática no que respeita ao desanuviamento das relações entre as duas Coreias e à possibilidade de desnuclearização da península.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).