Trump anuncia libertação de três norte-americanos prisioneiros na Coreia do Norte

A libertação destes três homens tinha sido revelada por Rudy Giuliani numa entrevista à Fox News

O presidente dos EUA anunciou esta quarta-feira no Twitter a libertação de três norte-americanos que estavam detidos na Coreia do Norte. Segundo Donald Trump, o secretário de Estado Mike Pompeo está a caminho de casa "com três cavalheiros fantásticos".

O presidente revelou que os três parecem estar de boa saúde e que irão aterrar na Andrews Air Force Base, em Maryland. "Estarei lá para cumprimentá-los. Muito entusiasmante", concluiu.

Quem são os três prisioneiros?

A libertação destes três homens tinha sido revelada por Rudy Giuliani numa entrevista à Fox News. Kim Dong Chul, um missionário com cerca de 60 anos, estava detido desde 2015 e Kim Hak-song e Kim Sang Duk, conhecido como Tony Kim, estavam detidos desde a primavera do ano passado. Os dois últimos, professores numa universidade de Pyongyang, eram acusados de "atos hostis" contra o regime de Kim Jong Un.

Kim Dong Chul tinha sido preso em 2015, acusado de espionagem a favor da Coreia do Sul.

A libertação dos três pode ser encarada como um gesto de boa vontade numa altura em Trump e Kim Jong Un têm encontro marcado.

No ano passado, a Coreia do Norte libertou Otto Warmbier, que estava gravemente doente e acabou por morrer nos Estados Unidos.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.