Trump ameaça vetar novo acordo bipartidário sobre imigração e "Dreamers"

A emenda que está a ser planeada pelo Senado propões a regularização de 1,8 milhões de jovens sem documentos, que imigraram legalmente com os pais para os EUA

O Presidente norte-americano, Donald Trump, ameaçou esta quinta-feira vetar uma emenda acordada entre os Republicanos e os Democratas no Senado, que inclui a regularização de indocumentados e uma verba para a construção do muro na fronteira com o México.

Numa declaração escrita, a Casa Branca considerou que a proposta bipartidária é uma "política perigosa que prejudicará a nação".

Caso o Presidente Trump receba uma proposta legislativa que inclua as propostas destes senadores republicanos e democratas os seus assessores "recomendar-lhe-ão que a vete", escreveu a porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders.

A emenda cozinhada no Senado (câmara alta do Congresso dos EUA) propõe a regularização de 1,8 milhões de jovens indocumentados conhecidos por "Dreamers" (sonhadores), que imigraram ilegalmente com os pais para os Estados Unidos e que ficaram desde então.

Os "Dreamers" estavam protegidos da deportação por um programa criado na administração do democrata Barack Obama, o DACA (Ação Diferida para Crianças Indocumentadas), e que Donald Trump decidiu eliminar em setembro último.

A troco da regularização dos "Dreamers" os Democratas estavam dispostos a atribuir uma verba de 25 milhões de dólares para a construção do muro na fronteira com o México, uma das mais emblemáticas promessas de campanha de Donald Trump.

O líder da maioria Republicana no Senado, Mitch McConnell, acusou hoje os Democratas de serem incapazes de apresentar "uma única proposta que tenha uma hipótese realista de passar a lei". Os Democratas, disse McConnell, deveriam, em vez disso, aceitar "a proposta extremamente generosa de Trump".

A proposta do Presidente Trump inclui um processo que poderia dar a cidadania a 1,8 milhões de "Dreamers", mas no decorrer de um período entre os 10 e os 12 anos, desde que os Democratas aceitassem a verba para o muro e restrições adicionais à imigração legal.

No entanto, os Democratas cerraram fileiras em torno dos termos do compromisso bipartidário, que também dá hipótese aos "Dreamers" de obter a cidadania e garante os 25 milhões para o muro, mas de forma faseada ao longo de 10 anos. A proposta não inclui os limites que Trump quer impor à imigração legal, tais como o fim do "sorteio de vistos" (que atribui 50 mil vistos de trabalho e residência ao ano a países com baixas taxas de migração para os EUA) e o fim do atual sistema de reagrupamento familiar.

Para converter-se em lei, uma proposta legislativa precisa da aprovação do Senado, da Câmara dos Representantes e a assinatura do Presidente.

O acordo bipartidário foi subscrita por oito senadores Republicanos, sete Democratas e um independente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.