Trump ameaça com shut down se não lhe derem dinheiro para o muro

Presidente norte-americano pressiona o Congresso, através do Twitter, ao mesmo tempo em que acusa os imigrantes ilegais que atravessam a fronteira, entre o México e os EUA, de "usarem as crianças para fins sinistros".

Donald Trump voltou neste domingo a pressionar o Congresso e os Democratas por causa da imigração. "Por favor compreendam as consequências quando as pessoas atravessam a fronteira de forma ilegal, quer tenham consigo crianças ou não - e muitos só estão a usar as crianças para os seus fins sinistros. O Congresso tem de atuar e consertar as MAIS ESTÚPIDAS E PIORES leis da imigração em todo o mundo. Votem "R"", escreveu o presidente republicano, no Twitter.

"Os democratas, que querem Fronteiras Abertas e pouco se importam com o Crime, são incompetentes, mas têm os Media das Fake News quase totalmente do seu lado!", prosseguiu, de forma dura, na sua conta naquela rede social.

O presidente foi mais longe e, num terceiro tweet, ameaçou provocar o shut down do governo dos EUA. "Estarei até disposto a provocar o shut down do governo se os Democratas não nos derem os votos necessários na questão da Segurança das Fronteiras, a qual inclui o Muro! Temos de nos ver livres desta Lotaria, desta Prende-Liberta, etc... e finalmente ter um sistema de Imigração baseado no MÉRITO! Precisamos de pessoas fantásticas no nosso país!"

No início do ano, a Casa Branca propôs uma política de imigração baseada no mérito, a qual ficou presa no Congresso, até por falta de entusiasmo de dentro dos próprios republicanos. A proposta da administração Trump incluía, entre outras coisas, uma verba de 25 mil milhões de dólares para o muro entre o México e os EUA, uma das promessas mais polémicas de campanha do atual presidente.

Os tweets de Trump deste domingo surgiram depois de a sua administração ter indicado que 1800 crianças que tinham sido separadas dos pais na fronteira voltaram a ser reunidas com os mesmos. Isto apesar de ainda haver centenas delas que estão separadas.

Neste ano já houve shut down do governo dos EUA em duas ocasiões. O fecho do governo significa que todo o pessoal considerado não indispensável deixa de trabalhar, as Finanças, por exemplo, não abrem. No passado, por causa disso, até a Estátua da Liberdade chegou a estar encerrada ao público.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.