Trump ameaça com shut down se não lhe derem dinheiro para o muro

Presidente norte-americano pressiona o Congresso, através do Twitter, ao mesmo tempo em que acusa os imigrantes ilegais que atravessam a fronteira, entre o México e os EUA, de "usarem as crianças para fins sinistros".

Donald Trump voltou neste domingo a pressionar o Congresso e os Democratas por causa da imigração. "Por favor compreendam as consequências quando as pessoas atravessam a fronteira de forma ilegal, quer tenham consigo crianças ou não - e muitos só estão a usar as crianças para os seus fins sinistros. O Congresso tem de atuar e consertar as MAIS ESTÚPIDAS E PIORES leis da imigração em todo o mundo. Votem "R"", escreveu o presidente republicano, no Twitter.

"Os democratas, que querem Fronteiras Abertas e pouco se importam com o Crime, são incompetentes, mas têm os Media das Fake News quase totalmente do seu lado!", prosseguiu, de forma dura, na sua conta naquela rede social.

O presidente foi mais longe e, num terceiro tweet, ameaçou provocar o shut down do governo dos EUA. "Estarei até disposto a provocar o shut down do governo se os Democratas não nos derem os votos necessários na questão da Segurança das Fronteiras, a qual inclui o Muro! Temos de nos ver livres desta Lotaria, desta Prende-Liberta, etc... e finalmente ter um sistema de Imigração baseado no MÉRITO! Precisamos de pessoas fantásticas no nosso país!"

No início do ano, a Casa Branca propôs uma política de imigração baseada no mérito, a qual ficou presa no Congresso, até por falta de entusiasmo de dentro dos próprios republicanos. A proposta da administração Trump incluía, entre outras coisas, uma verba de 25 mil milhões de dólares para o muro entre o México e os EUA, uma das promessas mais polémicas de campanha do atual presidente.

Os tweets de Trump deste domingo surgiram depois de a sua administração ter indicado que 1800 crianças que tinham sido separadas dos pais na fronteira voltaram a ser reunidas com os mesmos. Isto apesar de ainda haver centenas delas que estão separadas.

Neste ano já houve shut down do governo dos EUA em duas ocasiões. O fecho do governo significa que todo o pessoal considerado não indispensável deixa de trabalhar, as Finanças, por exemplo, não abrem. No passado, por causa disso, até a Estátua da Liberdade chegou a estar encerrada ao público.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.