FBI alarmado com planos de Trump para divulgar informação

Agência americana expressou "preocupações sérias" sobre planos da Casa Branca e alertou que memorando tem "omissões de factos relevantes"

O Presidente dos Estados Unidos alarmou o FBI, ao assegurar que planeia tornar público informação que detalha alegados abusos da agência norte-americana e do Departamento de Justiça na investigação sobre a ingerência russa nas eleições de 2016.

O FBI expressou, em comunicado, "preocupações sérias" sobre os planos da Casa Branca de permitir a publicação de informação elaborada pelo Partido Republicano e alertou que contém algumas "omissões de factos relevantes" que poderiam comprometer a "exatidão".

O diretor do FBI, Christopher Wray, " está a colocar o seu trabalho acima da lealdade ao Presidente", disse o ex-procurador dos EUA, Preet Bharara, à CNN, descrevendo um cenário que outras vezes não acabou bem para os principais funcionários da comunidade que aplica a lei durante a administração do Trump.

Donald Trump tocou no assunto ao chegar ao Congresso, para realizar o discurso sobre o Estado da Nação, na quarta-feira (madrugada em Lisboa), quando prometeu ao congressista republicano Jeff Duncan que publicaria a esperada informação. A intenção de Trump foi difundida num vídeo por várias cadeias de televisão norte-americanas.

Questionada na quarta-feira numa entrevista à CNN, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, disse que, por agora, "não há planos de trazer a público o memorando" e sublinhou que Donald Trump não tinha sido informado do conteúdo da informação quando se referiu ao mesmo, na terça-feira.

Pouco tempo depois de Sanders ter-se referido ao assunto, o chefe de gabinete da Casa Branca, John Kelly, disse na emissora de rádio Fox News que o memorando "será tornado público muito rapidamente", depois de os advogados especializados em segurança nacional do Presidente dos Estados Unidos terminarem de "estudarem a informação, para saberem bem o que significa".

Na segunda-feira, o Comité de Inteligência da Câmara de Representantes dos Estados Unidos votou favoravelmente trazer a público a informação, redigido pelo staff do congressista republicano Devin Nunes, que esteve na equipa de Trump, na transição entre a Administração Obama e o atual executivo.

O comité concedeu cinco dias à Casa Branca para decidir se permite a publicação da informação, que, de acordo com Christopher Steele, autor do famoso dossiê cheio de detalhes sórdidos sobre Trump, deu mais informações ao FBI. Com base nessas informações, o FBI decidiu ampliar as atividades de vigilância a Carter Page - assessor de política exterior na campanha eleitoral de Trump - por suspeitas de ter atuado como agente russo.

O Departamento de Justiça, através de Rod Rosenstein, firmou um pedido judicial para realizar essa vigilância, o que aumentou a frustração de Trump para com Rosenstein, que supervisiona o responsável pela investigação à ingerência russa nas eleições, Robert Muller.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.