FBI alarmado com planos de Trump para divulgar informação

Agência americana expressou "preocupações sérias" sobre planos da Casa Branca e alertou que memorando tem "omissões de factos relevantes"

O Presidente dos Estados Unidos alarmou o FBI, ao assegurar que planeia tornar público informação que detalha alegados abusos da agência norte-americana e do Departamento de Justiça na investigação sobre a ingerência russa nas eleições de 2016.

O FBI expressou, em comunicado, "preocupações sérias" sobre os planos da Casa Branca de permitir a publicação de informação elaborada pelo Partido Republicano e alertou que contém algumas "omissões de factos relevantes" que poderiam comprometer a "exatidão".

O diretor do FBI, Christopher Wray, " está a colocar o seu trabalho acima da lealdade ao Presidente", disse o ex-procurador dos EUA, Preet Bharara, à CNN, descrevendo um cenário que outras vezes não acabou bem para os principais funcionários da comunidade que aplica a lei durante a administração do Trump.

Donald Trump tocou no assunto ao chegar ao Congresso, para realizar o discurso sobre o Estado da Nação, na quarta-feira (madrugada em Lisboa), quando prometeu ao congressista republicano Jeff Duncan que publicaria a esperada informação. A intenção de Trump foi difundida num vídeo por várias cadeias de televisão norte-americanas.

Questionada na quarta-feira numa entrevista à CNN, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, disse que, por agora, "não há planos de trazer a público o memorando" e sublinhou que Donald Trump não tinha sido informado do conteúdo da informação quando se referiu ao mesmo, na terça-feira.

Pouco tempo depois de Sanders ter-se referido ao assunto, o chefe de gabinete da Casa Branca, John Kelly, disse na emissora de rádio Fox News que o memorando "será tornado público muito rapidamente", depois de os advogados especializados em segurança nacional do Presidente dos Estados Unidos terminarem de "estudarem a informação, para saberem bem o que significa".

Na segunda-feira, o Comité de Inteligência da Câmara de Representantes dos Estados Unidos votou favoravelmente trazer a público a informação, redigido pelo staff do congressista republicano Devin Nunes, que esteve na equipa de Trump, na transição entre a Administração Obama e o atual executivo.

O comité concedeu cinco dias à Casa Branca para decidir se permite a publicação da informação, que, de acordo com Christopher Steele, autor do famoso dossiê cheio de detalhes sórdidos sobre Trump, deu mais informações ao FBI. Com base nessas informações, o FBI decidiu ampliar as atividades de vigilância a Carter Page - assessor de política exterior na campanha eleitoral de Trump - por suspeitas de ter atuado como agente russo.

O Departamento de Justiça, através de Rod Rosenstein, firmou um pedido judicial para realizar essa vigilância, o que aumentou a frustração de Trump para com Rosenstein, que supervisiona o responsável pela investigação à ingerência russa nas eleições, Robert Muller.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.