Goldstein falou sobre saída de Tillerson e foi demitido

O subsecretário de Estado revelou que Tillerson não conhecia razões do afastamento e foi ele próprio demitido em seguida

O subsecretário de Estado para Diplomacia Pública e Assuntos Públicos, Steve Goldstein, foi esta terça-feira demitido pela Casa Branca, apenas horas depois de ter revelado que o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, ainda não tinha falado com Trump e desconhecia as razões do seu afastamento.

"O secretário de Estado não falou esta manhã com o Presidente e desconhece as razões" [da sua demissão], declarou Steve Goldstein, após Donald Trump ter publicado hoje de manhã na rede social Twitter uma mensagem que dava conta do afastamento de Rex Tillerson e da nomeação do atual diretor da agência de espionagem norte-americana (CIA), Mike Pompeo, para assumir a pasta da diplomacia norte-americana.

Fontes oficiais norte-americanas citadas pela agência norte-americana Associated Press (AP), que falaram sob a condição de anonimato, afirmaram que Steve Goldstein foi informado da decisão de Trump pouco tempo depois de ter feito o comentário sobre o afastamento de Tillerson.

"Mal posso esperar para descansar", disse, entretanto, o subsecretário de Estado em declarações à agência francesa France Presse (AFP), ao comentar o seu afastamento.

Rex Tillerson, que tinha iniciado na semana passada o seu primeiro périplo pelo continente africano, decidiu na segunda-feira encurtar esta viagem e antecipar o regresso a Washington. A equipa de Tillerson disse na altura que o representante tinha encurtado em um dia a permanência na Nigéria devido a "trabalho urgente" em Washington.

Segundo a Associated Press, Tillerson foi avisado pelo chefe de gabinete de Trump, o general John Kelly, para estar atento à conta de Twitter do presidente. Kelly não terá dito ao secretário de Estado mais do que isto: nem quando surgiria essa mensagem, nem o seu conteúdo.

Tillerson estava em viagem oficial quando foi alertado por Kelly e encurtou a deslocação um dia, tendo chegado a Washington na madrugada de terça-feira, descobrindo horas depois que tinha sido demitido.

Segundo a Associated Press, Tillerson foi avisado pelo chefe de gabinete de Trump, o general John Kelly, para estar atento à conta de Twitter do presidente.

John Kelly terá dito ao secretário de Estado para estar atento ao Twitter, mas não lhe terá revelado a razão

A nomeação de Mike Pompeo ainda tem de ser confirmada pelo Senado (câmara alta do Congresso norte-americano). Citado pela estação norte-americana CNN, o senador republicano Bob Corker, líder da comissão de relações internacionais do Senado, indicou que a audiência de confirmação de Pompeo será em abril, mas sem indicar uma data específica.

Quando foi indicado para ser diretor da CIA, Mike Pompeo também foi ouvido no Senado. Na altura, foi confirmado com a votação 66/32.

Em dezembro de 2016, a escolha de Rex Tillerson, então presidente-executivo do gigante petrolífero Exxon Mobil, para liderar a diplomacia dos Estados Unidos levantou várias questões.

Sem qualquer experiência diplomática ou governativa, Tillerson foi apresentado ao mundo como próximo do Presidente russo, Vladmir Putin, e do Kremlin.

O próprio chegou a confessar ter ficado "boquiaberto" quando Trump lhe fez o convite para liderar o Departamento de Estado e admitiu que só assumiu a pasta porque a mulher o convenceu.

Rex Tillerson, de 65 anos, sempre manteve uma postura discreta e muito cautelosa no uso das palavras, mas as divergências com Trump revelaram-se notórias em vários importantes dossiês, como as alterações climáticas ou o Irão.

Trump não facilitou a tarefa de Rex Tillerson. Por exemplo, retirou-lhe o emblemático dossiê israelo-palestiniano, assunto que confiou ao seu genro Jared Kushner.

Também em relação à Coreia do Norte, os dois representantes faziam declarações públicas contraditórias.

Enquanto Tillerson elogiava a influência dos esforços diplomáticos contra as ambições nucleares da Coreia do Norte e a abertura de canais de comunicação com as autoridades norte-coreanas, Trump prometia "fogo e fúria" contra Pyongyang.

Momentos depois do 'tweet' matinal de hoje de Donald Trump, um alto responsável norte-americano veio explicar que a substituição de Rex Tillerson se deve ao facto de o Presidente querer mudar a sua equipa para as eventuais negociações com a Coreia do Norte.

Mike Pompeo foi indicado para a liderança do Departamento de Estado norte-americano alguns dias depois do inesperado anúncio de um possível encontro, de contornos inéditos, entre Trump e o líder norte-coreano Kim Jong Un.

O local, a data e outros aspetos deste encontro ainda estão por determinar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...