Trump "adoraria falar" com Mueller na investigação sobre a Rússia

Chefe de Estado norte-americano colocou uma condição à sua disponibilidade.

O Presidente norte-americano disse hoje que "adoraria falar" com o procurador especial Robert Mueller, encarregado de investigar a eventual ingerência russa nas eleições presidenciais, mas para tal acontecer exige ser tratado de forma justa.

"Adoraria falar (...) Não há nada que eu mais queira. Adoraria falar porque não fizemos nada de errado", afirmou Donald Trump, em declarações aos jornalistas em South Lawn, um dos parques da Casa Branca, antes de partir para Dallas, no Estado norte-americano do Texas, onde vai intervir hoje na convenção anual da Associação Nacional de Armas (NRA, na sigla em inglês).

Mas o chefe de Estado norte-americano colocou uma condição à sua disponibilidade.

"Preciso de saber se vamos ser tratados de forma justa, porque neste momento é uma pura caça às bruxas", frisou.

Estas declarações de Trump surgem numa altura em que está a ser aconselhado juridicamente pelo antigo presidente da câmara ('mayor') de Nova Iorque Rudy Giuliani.

O ex-'mayor' juntou-se recentemente à equipa de advogados que representa o Presidente norte-americano no processo liderado por Mueller sobre eventuais ligações entre a Rússia e a campanha de Trump para as presidenciais norte-americanas de 2016.

Giuliani advertiu Trump sobre as consequências de uma possível reunião com Mueller e sugeriu que o Presidente norte-americano precisa de estabelecer limites em relação ao seu nível de cooperação.

No início desta semana, o diário norte-americano The New York Times revelou as cerca de 50 perguntas que Robert Mueller gostaria de colocar a Trump sobre as alegadas ligações da sua equipa aos russos.

Em outra notícia avançada pelo jornal The Washington Post, o procurador especial terá equacionado, no início do mês de março, a hipótese de intimar Trump a depor. Segundo revelou o mesmo jornal, a possibilidade foi levantada durante uma reunião com a equipa de advogados do Presidente.

A vontade de Trump de afastar Mueller também tem sido regularmente noticiada pelos 'media' norte-americanos.

Na quarta-feira foi divulgado que o chefe de Estado norte-americano contratou um advogado que representou o ex-Presidente Bill Clinton no processo de destituição (também conhecido como processo de 'impeachment') em 1998, com o objetivo de ser "mais agressivo" na sua resposta à investigação de Robert Mueller.

Ainda nas declarações aos jornalistas ao sair da Casa Branca, Trump falou sobre Rudy Giuliani e colocou publicamente o ex-'mayor' numa posição delicada, segundo os 'media' norte-americanos.

Esta semana, numa entrevista à estação de televisão Fox News, Rudy Giuliani disse que Trump sabia do pagamento efetuado pelo advogado Michael Cohen à atriz de filmes pornográficos Stormy Daniels no âmbito de um acordo de confidencialidade e que teria posteriormente reembolsado o advogado.

Segundo Trump, Rudy Giuliani irá esclarecer os factos que transmitiu, sugerindo que o ex-'mayor' expressou-se de forma pouco precisa.

"É um grande tipo mas começou há um dia", disse o governante, afirmando que o seu mais recente conselheiro jurídico está "a começar a inteirar-se do assunto".

E acrescentou, sem dar mais pormenores, que "praticamente tudo" relatado até ao momento sobre os pagamentos tem estado errado.

"Tem existido muita desinformação (...) Aprenda antes de falar. É muito mais fácil", disse ainda Trump, que nega ter tido um caso sexual com a atriz de filmes pornográficos.

Stormy Daniels, que alega ter tido relações sexuais com Trump em 2006, decidiu avançar, em finais de abril, com um processo por difamação contra o Presidente norte-americano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Que a clubite não mate a história empolgante de um hacker

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.