Trump admite aceitar convite de Putin para ir a Moscovo

Presidente russo disse ter convidado o presidente americano a ir à capital russa. E está disponível para se deslocar a Washington sob "determinadas" condições

Depois de uma cimeira no mínimo polémica, em Helsínquia e de um convite para uma ida a Washington, que acabou adiado para 2019, o presidente americano, Donald Trump, afirmou estar "disponível" para viajar até Moscovo, depois de um convite surpresa do presidente russo, Vladimir Putin, anunciou a Casa Branca, citada pela BBC.

Putin disse esta sexta-feira que está pronto para viajar para os EUA sob "determinadas" condições e convidou Trump para Mse deslocar a Moscovo para uma segunda reunião, depois dos dois se terem encontrado na semana passada para uma reunião à porta fechada em Helsínquia.

O convite é feito dois dias depois de a Casa Branca ter anunciado que vai adiar a visita de Putin para o próximo ano. "O presidente Trump está ansioso para ter o presidente Putin em Washington depois do primeiro dia do ano, e está aberto a visitar Moscovo ao receber o convite formal", esclareceu Sarah Sanders em comunicado.

Esta declaração foi a resposta ao convite de Putin, feito durante uma conferência de imprensa na África do Sul, onde disse estar "pronto" para uma reunião com Trump. "Estamos prontos para essas reuniões. Estamos prontos para convidar o presidente Trump para ir a Moscovo. Que seja meu convidado. Ele tem o convite, já lho fiz", disse Putin, à margem da cimeira económica do grupo de países emergentes BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) em Joanesburgo, na África do Sul.

"Eu entendo perfeitamente que o presidente Trump tenha o desejo de realizar novas reuniões e estou pronto para ir a Washington se forem criadas condições adequadas para esse trabalho", acrescentou. Putin não explicou que "condições" serão essas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.