Trump acusa democratas de inventarem 3 mil mortos nos furacões de Porto Rico

Numa altura em que os ventos do furacão Florence começam a chegar à Carolina do Norte, o presidente dos EUA acusa os democratas que terem inflacionado o número de vítimas dos furacões que atingiram Puerto Rico em 2017

Donald Trump acusou esta quinta-feira a oposição democrata de ter inflacionado o verdadeiro número de mortos na sequência dos dois furacões que atingiram Porto Rico o ano passado.

Um estudo da Universidade George Washington, de julho, concluiu que 2975 pessoas morreram em Porto Rico em resultado do furacão Maria, em setembro de 2017, sublinhando que os primeiros números apenas incluíam 64 pessoas que tinham morrido diretamente por ação do Maria e do Irma, ou seja, através de afogamento, colapso de edifícios ou detritos que voaram a grandes velocidades por causa dos ventos fortes.

O governador de Porto Rico, Ricardo Rossello, aceitou estas conclusões, refere a BBC.

"3000 pessoas não morreram nos dois furacões que atingiram Porto Rico. Quando eu deixei a ilha, DEPOIS de a tempestade ter chegado, havia entre seis a 18 mortos. À medida que o tempo foi passando, não aumentou assim tanto. Depois, muito tempo depois, começaram a falar em grandes números, como 3000...", escreveu Trump, na sua conta de Twitter.

O presidente republicano foi mais longe ao acusar os democratas de terem inventado mortos: "Isto foi feito pelos democratas para fazer parecer que eu sou a pior pessoa possível quando eu consegui, de forma bem sucedida, angariar milhares de milhões de dólares para reconstruir Porto Rico. Se uma pessoa morreu, nem que seja por causa da idade avançada, acrescentam-na à lista. Má política. Eu adoro Porto Rico!".

Na mesma rede social chegou a resposta da presidente da Câmara da capital de Porto Rico. "Senhor Trump pode tentar fazer bullying contra nós nos seus tweets MAS NÓS SABEMOS QUE AS NOSSAS VIDAS IMPORTAM. Nunca vai conseguir tirar-nos o respeito por nós próprios. Tenha vergonha!", escreveu, em vários tweets, Carmen Yulin Cruz.

As acusações de Trump surgem numa altura em que os ventos do furacão Florence já se fazem sentir na Carolina do Norte. Num vídeo divulgado na quarta-feira pela Casa Branca, o presidente dos EUA aparece a apelar aos cidadãos dos estados da costa leste para que cumpram as indicações das autoridades e a garantir que tudo vai correr bem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.