Trump acusa Cruz de "fraude eleitoral" e exige desforra no Iowa

"Caucus" republicano colocou o senador Ted Cruz à frente do bilionário Donald Trump.

Donald Trump pede uma nova votação nos caucus do Iowa e acusa Ted Cruz de "fraude eleitoral" num tweet publicado esta manhã na sua conta.

O milionário norte-americano diz que, durante os caucus (as assembleias populares que no Iowa escolhem os candidatos de cada um dos partidos às presidenciais de 8 de novembro nos EUA) a equipa de campanha de Ted Cruz enviou e-mails a apoiantes de Ben Carson, dizendo que este candidato republicano tinha abandonado a corrida, o que não era verdade.

A equipa de campanha de Cruz já terá pedido desculpa a Ben Carson, dizendo que tinha sido um mal-entendido.

O porta-voz de Cruz, Rick Tyler, disse à CNN que Trump está apenas a tentar ser o centro das atenções.

"Ted Cruz não ganhou no Iowa, ele roubou a vitória!", garantiu Trump.

Trump foi considerado o grande derrotado da noite de segunda-feira. Favorito de todas as sondagens, o magnata do imobiliário ficou em segundo lugar nos caucus, com 24,3% dos votos, atrás de Cruz, que conseguiu 26,7%. Os dois, bem como os restantes candidatos republicanos, já estão em campanha no New Hampshire, que realiza as suas primárias no dia 9.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.