Trump acusou Canadá de incêndio da Casa Branca em 1814

"Por acaso, não nos queimaste a Casa Branca?!", questionou Donald Trump, dirigindo-se a Justin Trudeau, durante uma conversa telefónica

O Presidente de Estados Unidos atribuiu hoje ao Canadá o incêndio da Casa Branca que, de facto, foi feito pelas tropas britânicas, durante a guerra anglo-norte-americana, em 1814.

"Por acaso, não nos queimaste a Casa Branca?!", questionou Donald Trump, dirigindo-se a Justin Trudeau, durante uma conversa telefónica, ocorrida em 25 de maio, a propósito da imposição de direitos alfandegários às importações de aço e alumínio por parte dos EUA, segundo a cadeia televisiva CNN, que cita fontes anónimas.

Desde que Trump anunciou que estava a ponderar estas medidas protecionistas, a Casa Branca defendeu a decisão com argumentos de segurança nacional. Contudo, este argumento tem sido questionado tanto por peritos como por dirigentes políticos.

Com efeito, durante uma entrevista realizada no passado fim de semana, com as taxas alfandegárias já em vigor, o próprio Trudeau chegou a perguntar "em que universo é que o Canadá pode representar uma ameaça aos EUA".

Questionado sobre se o líder canadiano poderia considerar a observação de Trump como uma piada, a fonte citada pela CNN limitou-se a dizer que o impacto que esta medida vai ter no Canadá e na indústria dos EUA "não é tema de riso".

O incêndio que devastou a residência presidencial em 1814 foi causado pelas tropas britânicas, como represália por um ataque contra a então colónia britânica de Iorque, no Estado do Ontário, região que hoje integra o Canadá.

Esta não é a primeira vez que Trump faz uma afirmação que provoca a indignação dos canadianos, uma vez que em março gabou-se, perante as câmaras, de ter mentido a Trudeau, ao dizer que os EUA têm um défice comercial com o Canadá.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.