Trump acusa Amazon de destruir pequenos comerciantes

"A Amazon causa grande dano aos pequenos retalhistas que pagam impostos. Muitas localidades nos Estados Unidos sentem os efeitos. Muitos empregos são destruídos", afirmou Trump

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acusou esta quarta-feira o grupo de vendas 'online' Amazon de destruir o pequeno comércio e o emprego, num momento em que vários empresários se afastam da administração norte-americana.

"A Amazon causa grande dano aos pequenos retalhistas que pagam impostos. Muitas localidades nos Estados Unidos sentem os efeitos. Muitos empregos são destruídos!", afirmou Trump na rede social Twitter.

O líder da Amazon, Jeff Bezos, é também proprietário do jornal The Washington Post, alvo frequente dos ataques do presidente norte-americano.

Trump não deu exemplos precisos, mas vários retalhistas, nomeadamente nos setores do vestuário e da eletrónica, viram as suas vendas baixar nos últimos anos devido à concorrência do comércio 'online'.

Os últimos números oficiais apontam para um aumento de 0,6% nas vendas a retalho no mês de julho e um aumento de 4,2% em relação ao ano anterior, mas são sobretudo os distribuidores na internet que registam um avanço mais significativo no mês passado (1,3%).

Vários dirigentes de empresas norte-americanas demarcaram-se nos últimos dias do presidente do Estados Unidos, deixando de integrar órgãos de aconselhamento em matéria de política económica e industrial, depois de declarações dúbias de Trump em relação à extrema-direita e ao seu envolvimento na violência registada no fim de semana em Charlottesville, na Virgínia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.